Planeta SIG - Portugal

February 23, 2018

Blog do gvSIG (ES)

Mapas para visualizar cómo perciben los ciudadanos la democracia

En Sociología el uso de los Sistemas de Información Geográfica no es precisamente frecuente, pese a constituirse como una herramienta fundamental para analizar la información desde el punto de vista de las relaciones espaciales. La hasta hace poco falta de opciones de disponer de software SIG, limitadas a costosas licencias de unas pocas transnacionales no interesadas en aquellos sectores que no aumentan su cuenta de resultados, es uno de los principales motivos.

Desde la aparición de proyectos de software libre como gvSIG, estamos viendo como son cada vez más los estudios que desde el campo de la sociología comienzan a hacer uso de este tipo de herramientas. Por eso mismo creo que vale la pena dar eco a estas iniciativas y estudios. Y de ahí este post…

En octubre del pasado año el Pew Research Center realizó una encuesta en 38 países que buscaba determinar cómo se ve a la democracia, un gobierno militar y otros sistemas políticos alrededor del mundo.

@pablinte ha publicado un hilo en Twitter en el que partiendo de los resultados de esa encuesta aporta una visualización complementaria y realmente interesante mediante el uso de gvSIG Desktop, con el que ha realizado una serie de mapas que nos permitimos compartir en este post.

El informe en el cual se basan estos mapas es del 2017 lo podéis encontrar aquí. La metodología y el diseño muestral de la encuesta aquí.

Os dejamos con los mapas…

por Alvaro em February 23, 2018 06:33 PM

Webinar GeoForAll Iberoamérica: Presentación gvSIG Crime, solución de la Suite gvSIG para análisis geoespacial y gestión del delito

Dentro de las actividades de difusión de GeoForAll Iberoamérica, el próximo jueves 1 de marzo a las 15:00 horas UTC, se va llevar a cabo un webinar de presentación de gvSIG Crime, la plataforma en software libre para criminología.

En este caso no es necesario realizar ninguna inscripción, tan sólo conectarse el día y hora indicados al siguiente enlace proporcionado por la UOC:

https://eimtuoc.adobeconnect.com/geo4allsiglibrecriminologia/

Importante: La plataforma tiene ‘aforo limitado’ a 100 asistentes, por lo que si os interesa os recomendamos conectaros puntualmente. En cualquier caso el webinar va a ser grabado y posteriormente se publicará el vídeo de la sesión.

por Alvaro em February 23, 2018 12:57 PM

Blog IDEE (ES)

Nuevo servicio de visualización WMS de Riesgos Naturales de Inundación

Peligrosidad por inundación fluvial con un periodo de retorno de 500 años en Cacabelos (León)

La Directiva 2007/60/CE, de evaluación y gestión de los riesgos de inundación, traspuesta al ordenamiento jurídico español a través del Real Decreto 903/2010, de evaluación y gestión de riesgos de inundación, tiene como objetivo generar nuevos instrumentos a nivel comunitario para reducir las posibles consecuencias de las inundaciones mediante la gestión del riesgo, apoyándose para ello en cartografía de peligrosidad y riesgo. Los organismos competentes en esta materia son la Dirección General del Agua y la DirecciónGeneral de Sostenibilidad de la Costa y el Mar, ambas del MAPAMA. 

El Sistema Nacional de Cartografía de Zonas Inundables (SNCZI) del MAPAMA constituye un instrumento de apoyo a la gestión del espacio fluvial y una de las actividades desarrolladas en este marco es la elaboración de mapas de peligrosidad y de riesgo de inundación.

El Centro Nacional de Información Geográfica (CNIG), según el artículo 16.2 de la Ley 14/2010 sobre las infraestructuras y los servicios de información geográfica en España (LISIGE),  ha publicado el servicio de visualización WMSde zonas de peligrosidad por inundación, siguiendo el Reglamento de Servicios en Red y las Directrices Técnicas para la implementación de servicios de visualizaciónde la Directiva Inspire.

El servicio contiene los mapas de peligrosidad de las Áreas de Riesgo Potencial Significativo de Inundación (ARPSI) elaborados en cada Demarcación por el SNCZI en colaboración con las autoridades competentes en materia de aguas, costas y protección civil. Se estructura en las siguientes capas:
  • Peligrosidad asociada a las Zonas Inundables por inundación fluvial, correspondientes a un escenario de probabilidad alta, media y baja de inundación (Fluvial T 10, 100 y 500 años respectivamente).
  • Peligrosidad asociada a las Zonas Inundables por inundación costera, correspondientes a un escenario de probabilidad media y baja de inundación (Marina T 100 y 500 años, respectivamente). 
Los datos serán de gran utilidad para la emisión de informes, gestión de avenidas y planificación de defensa frente a inundaciones. 

Peligrosidad por inundación fluvial con un periodo de retorno de 100 años en Murcia (Murcia)
                                   
El servicio ha sido implementado mediante el software open source MapServer. El fichero de capacidades se puede consultar en:


Peligrosidad por inundación marina con un periodo de retorno de 100 años en Orio (Gipuzkoa)

Publicado por Álvaro Bachiller.

por editor (noreply@blogger.com) em February 23, 2018 06:20 AM

February 22, 2018

Processamento Digital [BR]

Inteligência artificial: humanos x robôs

Um dos assuntos mais abordados na atualidade é o da inteligência artificial, consequência dos avanços exponenciais da tecnologia, desde o século XVIII, com o início da revolução industrial, até os dias atuais. Nesse contexto, um artigo da época negócios, de outubro de 2017, me chamou a atenção – “Como derrotar robôs” por Paulo Eduardo Nogueira. […]

por Alexandre Corrêa em February 22, 2018 09:33 PM

iDea Plus Geo (BR)

Aprendendo SIG com Game of Thrones (XIII): Geoprocessamento

As operações espaciais com dados geográficos para criar nova informação são conhecidos como Geoprocessos. Exemplos de geoprocessos são obter uma nova camada com as zonas de sobreposição entre duas camadas, uma camada que seja a área de influencia a uma determinada distância de outra camada, um mapa de densidade de pontos, etc.

O gvSIG Desktop conta com mais de 350 geoprocessos. Temos muitos algoritmos prontos para serem utilizados e ajudar-nos a analisar nossa informação espacial.

Na ajuda existe muita documentação sobre geoprocessamento; os links principais são:

A primeira coisa que precisamos saber é que acessamos as diferentes ferramentas de geoprocessamento através do menu “Ferramentas/Geoprocessamento/Caixa de ferramentas” ou através de seu ícone correspondente:
A partir da caixa de ferramentas poderemos realizar qualquer dos geoprocessos disponíveis no gvSIG Desktop. No nosso caso iremos aplicar dois geoprocessos diferentes.

Começaremos realizando uma junção espacial entre a camada “Locations” e a camada “Political”. Se consultarmos a ajuda deste geoprocesso, aprendemos que ele faz o seguinte: “A junção espacial permite transferir os atributos de uma camada a outra baseando-se em uma característica espacial comum”.


Se observarmos a imagem anterior, e imaginarmos que a camada de polígonos é “Political” e a de pontos “Locations” parece claro qual será o resultado: uma nova camada de pontos que conterá entre seus atributos os herdados da camada “Political”. Vamos lá…

Abrimos a “caixa de ferramentas” e buscamos o geoprocesso de “Junção espacial”. Se não soubermos onde se localiza podemos utilizar o buscador na parte inferior da janela, introduzindo uma parte do texto, como “junção”.


Vamos utilizar o primeiro dos geoprocessos filtrados. Para executá-lo damos um duplo clique sobre ele ou clicamos sobre ele com o botão secundário do mouse e selecionamos a opção “Executar” no menu contextual que aparece. Aparecerá uma janela como a próxima:


Como “Camada de entrada” selecionamos “Locations”. Como “Camada de revestimento” selecionamos “Political”. Se tiver dúvidas de como funciona um geoprocesso, consulte a ajuda que está disponível clicando no botão de informação da parte inferior direita da janela do geoprocesso (além de estar disponível no manual).

Se não indicarmos que a camada seja salva, será gerada uma camada temporária (isto é, será perdida ao fecharmos o projeto). Portanto, se quisermos preservar a camada resultante devemos selecionar essa opção neste momento, ou posteriormente exportar a camada temporária para uma nova camada.

Ao clicar “Aceitar” a nova camada é criada e adicionada na nossa Vista. Ao abrirmos sua “Tabela de atributos” veremos que tem os campos da camada “Locations”, mais os campos da camada “Political”:


Agora vamos a fazer um segundo geoprocesso, esta vez sobre um grupo de elementos selecionados desta camada que acabamos de criar. O que queremos analisar é se a extensão de território de “Riverlands” tem uma lógica em relação às localizações que contém.

Primeiramente selecionaremos da camada “Junção espacial” os elementos cujo campo “name_1” sejam iguais a “Riverlands”. Se precisar de ajuda com esta parte, revise o exercício de “Ferramentas de seleção”. O resultado da seleção deve ser similar ao da próxima imagem:


Agora abrimos novamente a “Caixa de ferramentas” e buscamos o geoprocesso “Mínima envolvente convexa (Convex Hull)”:


A ajuda nos diz que este geoprocesso calcula a “Envolvente convexa”, o polígono convexo de menor área que envolve todos os elementos vetoriais de uma “camada de entrada”.


Executamos o geoprocesso e abrirá uma janela como a seguinte:


Seleccionamos como “Camada de entrada” a de “Junção espacial” e tomemos o cuidado de que esteja marcada a opção “Feições selecionadas (Camada entrada)”. Deste modo o geoprocesso será executado unicamente sobre os elementos selecionados. Ao clicar em “Aceitar” será criada a nova camada com o seguinte resultado onde vemos que a área é muito similar ao território do Reino de “Riverlands”:


Isso é tudo por hoje… Depois de termos aprendido o procedimento para executar geoprocessos, somente nos resta experimentá-los… E agora só faltam dois artigos para nos despedirmos deste curso!

por admin em February 22, 2018 10:05 AM

Blog do gvSIG (ES)

GIS applied to Municipality Management: Module 14 ‘Image georeferencing’

The video of the fourteenth module is now available, in which we will show how to georeference an image.

Sometimes the technicians of a city council have images that are not georeferenced. They also can have an old map on paper, the data of which are needed to perform some analysis on their desktop application, such as delimiting the municipality in detail for example. That map on paper could be scanned so that they would have an image on their hard disk.

These images don’t have coordinates, so if they insert them in a View they would be in the coordinates ‘0,0’, and they would not be overlapped with the georeferenced cartography.

To georeference that image they will need cartography that is georeferenced, so that they can indicate the control points in that cartography, and their corresponding ones in the image to be georeferenced. It could also be done if they have a table with the coordinates of the different control points.

The cartography to follow this video can be downloaded from this link.

Here you have the videotutorial of this new module:

Related posts:

por Mario em February 22, 2018 09:22 AM

Blog IDEE (ES)

Comparador de ortofotos de IDERioja

https://www.iderioja.larioja.org/ortofotos/comparador.html
La IDE de la Rioja ha implementado un comparador de ortofotos con una interfaz sencilla y sobria, que funciona muy ben. La verdad es que nos encanta. Además ha incorporado las ortofotos del famoso Vuelo americano serie A del año 1946. La imagen completa más antigua del teritorio de esa comunidad.

También hay disponible un visualizador histórico con una barra de tiempo que permite ver interactivamente cómo ha ido evolucionando el territorio a lo largo de los 64 años que cubre.

https://www.iderioja.larioja.org/ortofotos/historico.html

Dos visualizadores que nos parecen muy buenos, sencillos, muy usables y espectaculares.

Publicado por editor.

por editor (noreply@blogger.com) em February 22, 2018 06:20 AM

February 21, 2018

Blog do gvSIG (ES)

gvSIG Desktop 2.4 is already available

gvSIG Desktop 2.4, the new version of the open source Geographic Information System, is now available. You can access both the gvSIG Desktop 2.4 installable and portable versions from the download section of the project website, with distributions available for Windows, Linux and Mac OS X.

Downloads: http://www.gvsig.com/es/productos/gvsig-desktop/descargas

This new gvSIG version is released with a lot of new features and improvements. The most outstanding ones can be found here:

Table of contents: Integrated catalog

SA new tab has been integrated in the ‘Table of Contents’ of the Views which contains the previous ‘Catalog’ plugin functionality, considerably improved. It allows you to add layers from the catalog browser to the View, open files as a Table, save to Favourites, change a layer name in Favourites, etc.

Table of contents: hiding legends and behaviour improvements

The behaviour of the TOC has been improved in terms of layer order and selection of layers.

A functionality has been added to hide the legends of the layers that are not visible in the ‘Table of Contents’ automatically. Besides having more space in the TOC, the gvSIG speed is optimized, since in case of web services (such as WMS) it avoids making requests to the server if the layer is not visible.

This option can be disabled from the ‘Preferences’ of the application

Symbology: Heat map legend

The heat map legend, also known as Hot Spot, has been added. This type of legends are used to identify the gathering of a certain element. More information.

Symbology: Marker clustering legend

New type of legend available and especially useful when we want to visualize a certain phenomenon whose quantity can’t be determined only visually. To do this, this legend also represents the element by means of a symbol, the number of times that the phenomenon exists in a certain area and that the user can adjust. More information.

Tools: 4D, temporary data support

Tools to support temporary data in gvSIG Desktop, known as 4D, have been developed. With this new tools we can assign the temporary parameter to a layer (even if it does not have a date field) and consult the data in a specific moment or time range. It also has tools to generate animations in the View, allowing to see a temporary evolution of the information. More information.

Tools: quick information

This tool allows us to show information about vector entities on a label when we move the mouse over it. We can define what information we want to display. More information.

Tools: Cadastre GML

In the European Union, the exchange format defined for Cadastre is GML with a specific scheme. The gvSIG Desktop functionality has been updated to support the latest changes made at GML format. In the case of Spain, it has been verified that the data generated with gvSIG Desktop complies with the cadastral validation.

Databases: H2GIS

In this version we have included H2GIS database support, the H2 spatial engine. One of the main advantages is the access to the H2 administration tools from gvSIG Desktop, with which using the SQL language we can perform any of the many operations that H2GIS allows and, therefore, adding all the GIS functionalities of H2GIS (they are a lot!) to gvSIG Desktop. Among others: management of 2D and 3D geometries, support of spatial indexes (improving the speed when loading layers), importers of different formats, geoprocessing, triangulation, surveying, network analysis, OSM data download… More information.

Databases: Oracle

The Oracle database driver has been updated and optimized, allowing to work with this extended database.

Databases: SQL Server

In gvSIG Desktop 2.4 there is support for SQL Server database. SQL Server is a database management system of the relational model, developed by Microsoft. SQL Server is one of the most used databases. More information.

Databases: SpatiaLite

In gvSIG Desktop 2.4 the support for SpatiaLite database has been added. SpatiaLite is a SQLite database engine where spatial functions have been added. This improvement will also allows easy data exchange between gvSIG Mobile and gvSIG Desktop, since the mobile application of the gvSIG Suite works with SpatiaLite. More information.

Data: New OSM map services

The OpenStreetMap cartography is one of the most widely used cartographic base worldwide. In gvSIG Desktop 2.4 we have added new OSM map services that provide both new ways of representing cartography and thematic services. The new map services available are: Open Sea Map, Open Railway Map, Carto Dark, Carto Light and HOT (Humanitarian OSM Team). More information.

Data: OSM data direct download

One of the H2GIS functions allows the direct OpenStreetMap data download. We would be able to run that sentence from the H2GIS console, but because of its usefulness (and to make it easier for users) we have decided to add it as an independent tool. It allows to download the OSM cartography of the frame that we have in our View at that moment. More information.

3D: World Wind update and safety improvements

The NASA World Wind Library, the 3D engine used by gvSIG Desktop, has been updated. This new World Wind version includes improvements in safety protocols.

Geoprocessing: Geocoding

Through this geoprocess we can convert a table with addresses to point layers. The table, apart from addresses, could contain characteristic elements such as museums, monuments, sports facilities …, that is, any place that we can search in Google Maps, OpenStreetMap …, since they are the search engines used for geocoding.. More information.

Geoprocessing: Point disperse

This geoprocess allows us to disperse the points that are overlapped around a central point in a layer. From a point layer, a match distance and a scatter radius, this algorithm acts on the input layer looking for groups of points whose distance is less than or equal to the match distance. It scatters them, according to the scatter radius, around the centre of that group, creating a new point layer with the results. More information.

Geoprocessing: Rossmo

Geoprocess that implements Rossmo’s mathematical model for serial killers detection. It allows to calculate the probability that each point of a map is the usual place of a serial killer. More information.

Geoprocessing: Demonstration attendees calculator, population by area calculator

This geoprocess was developed to calculate how many people there are really in a demonstration. It allows to calculate population in a specific area. More information.

Interface: Icon theme configurator

This set of tools will allow us to create new icon themes so that we can customize the appearance of our gvSIG Desktop. If you are tired of the current icon set … with this add-on you will be able to change it and design your own icons. More information.

Interface: 16×16 and 22×22 TreCC icon set

Icon set to change the appearance of gvSIG Desktop completely, available in 16×16 and 22×22 size. More information.

Usability: project preview

When opening a project in a concrete location, this new functionality allows you to see an image of the available projects of gvSIG Desktop, which many times can help us to identify the one we want to open. This image is updated every time we save changes in a project. More information.

Usability: toolbars

To facilitate the daily work of users in gvSIG Desktop 2.4, the usability of the application has been improved by placing the toolbars in the following logical order: Project actions, adding layers, zooms, attribute table, information tools, selection tools, editing tools… More information.

Usability: Maximized view

When opening gvSIG Desktop 2.4 a new maximized view is created automatically, the first action that a user always does. In addition, the option has been added in the ‘Preferences’ of the application, so that the user can define whether or not he wants this behaviour in gvSIG or not.

Usability: CRS of the View same as the layer

When adding a new layer we will see a new button ‘CRS View’ in the window, which allows to apply the reference system of the layer to the View automatically.

Help access from gvSIG Desktop

Two new tools have been added in the “Help” menu that will surely be very useful. Sometimes the simplest things can be the most useful. One of them allows to access to all the contents of the gvSIG Desktop user manual and the other one allows to search for the appropriate documentation for a specific query. More information.

Safety symbol library (ISO-7010)

A symbol library with the standard to represent the different safety pictograms can be useful for certain jobs. From now they are available in gvSIG Desktop. More information.

Emoji symbol library

This is a set of symbols very popular and recognizable by most users, and that they are now available in gvSIG Desktop to be able to represent your data in new ways. It contains activities, nature, flags, food and drink or objects symbols, the well-known smiley, frequently used symbols (numbers, letters, …), and places / trips (which includes means of transport symbols). More information.

Urban and Territorial Planning of the Valencian Community symbol library

Through this symbol library all the official symbols related to urban and territorial planning in the Valencian Community (Spain) are available. And, of course, they can be used by all those who need this symbology.

Development: Greater functionality using gvPy

gvPy is a library that facilitates the running of geoprocesses from scripting. Among other things it allows us to run scripts from the toolbox. For gvSIG Desktop 2.4, new improvements have been added too, that allow get objects from scripting, such as charts, that were not possible to get previously. More information.

Portable versions: Improvement in preferences

Portable versions have preferences within it by default. For certain organizations that use the portable, the option to use the user’s home for preferences has been enabled; in this case if any of the preferences (scripts, symbols, …) are not in the user’s home, gvSIG will copy them there before starting. In this way the option to keep the user preferences when updating portable version distributions is enabled.

Application: Opening projects with corrupt layers

The opening of projects with layers containing errors has been improved. With gvSIG Desktop 2.4, if there is a corrupt entity, the project is opened completely, indicating the layer with errors to the user, and allowing to load that layer again.

Application: Quick start

The gvSIG boot has been optimized, minimizing the opening time. Loading of the EPSG database is also carried out in the background, which implies that its query is immediate.

Application: Windows 10 support

The distribution for Windows 10 to 64bits has been optimized, which presented some problems in the installation in previous versions.

Application: new built-in browser

A new web browser has been incorporated. It optimizes the visualization of web pages where it is necessary to load them, such as in hyperlinks to web pages or in Google Street View tool.

Application: Quick scripts loading

Improvements that allow quick loading of scripts have been incorporated. These improvements are especially useful since gvSIG Desktop is increasing the number of tools developed from scripting considerably.

Application: optimized distributions size

Secondary plugins have been removed from the distributions, decreasing their size at this way. In this way, the user who wants to increase the functionality of his gvSIG Desktop can do so from the ‘Add-ons Manager’ through the URL option.

And there is still more, but we don’t want to launch all the novelties at once! In gvSIG Desktop 2.4, from the next week there will be three new plugins available, that will increase the functionalities of gvSIG Desktop greatly: Horton Machine, gvSIG Mobile and Epanet.

Horton Machine

Horton Machine, known as Jgrass previously, brings us a new toolbox with hundreds of geoprocesses of all kinds that are added to the more than 350 existing ones in gvSIG Desktop. With Horton Machine you will have access to tools for geomorphological analysis, for HECRAS, for LiDAR, etc. More information.

gvSIG Mobile

gvSIG Mobile is an app for data gathering in the field available in the available in the Google Play Store. Through this new plugin we can generate the base cartography for gvSIG Mobile from a gvSIG Desktop View. In addition, we will be able to upload a project made in gvSIG Mobile directly to gvSIG Desktop, including that created with a custom form, images, etc.

Epanet

This is a plugin to connect with the software called “Epanet”, that allows the analysis of drinking water distribution systems. The program is public and it’s developed by the United States Environmental Protection Agency (EPA). More information here and here.

We can only thank the work and support to all the people and organizations that have made this new version possible. All this work wouldn’t see the light without people who collaborate in testing, development, spreading… , and the organizations that bet on the gvSIG Association as a support organization for their ‘geo’ needs. Thank you.

As a final note we would like to comment that in recent months the gvSIG Desktop team hasn’t been working only on gvSIG Desktop 2.4. In parallel they have been working on the next gvSIG Desktop version intensely and it will be called 3.0 probably because of all the changes that it includes!!! … but we’ll talk about it later.

por Mario em February 21, 2018 05:11 PM

gvSIG Desktop 2.4 ya disponible

gvSIG Desktop 2.4, la nueva versión del Sistema de Información Geográfica libre, ya está disponible. Podéis acceder tanto a las versiones instalables como portables de gvSIG Desktop 2.4 en el apartado de descargas del proyecto, con distribuciones disponibles para Windows, Linux y Mac OS X

Descargas: http://www.gvsig.com/es/productos/gvsig-desktop/descargas

Esta nueva versión de gvSIG viene cargada de novedades y mejoras. Las más destacadas las podéis encontrar a continuación:

Tabla de contenidos: Catálogo incorporado

Se ha incorporado una nueva pestaña en la ‘Tabla de Contenidos’ de las Vistas que contiene la funcionalidad del anterior plugin de ‘Catalog’, considerablemente mejorada. Permite añadir capas desde el navegador del catálogo a la Vista, abrir como Tabla, guardar en Favoritos, cambiar nombre de una capa en Favoritos, etc.

Tabla de contenidos: ocultar leyendas y mejoras de comportamiento

Se ha mejorado el comportamiento del TOC en cuanto a cambio de orden de capas y selección de las mismas.

Se ha añadido una funcionalidad que oculta automáticamente en la ‘Tabla de Contenidos’ las leyendas de las capas que no estén visibles. Además de la ganancia de ‘espacio’ en el TOC, optimiza la velocidad de gvSIG, ya que en caso de servicios web (como por ejemplo WMS) evita hacer peticiones al servidor si la capa no está visible.

Está opción puede deshabilitarse desde las ‘Preferencias’ de la aplicación.

Simbología: Leyenda de mapa de calor

Se ha añadido el tipo de leyenda de mapa de calor, también conocida como Hot Spot. Este tipo de leyendas son utilizadas para identificar la concentración de un determinado fenómeno. Más info.

Simbología: Leyenda de marcadores agrupados

Nuevo tipo de leyenda disponible y especialmente útil cuando queremos visualizar un determinado fenómeno cuya cantidad no podemos determinar únicamente de forma visual. Para ello esta leyenda representa además del elemento mediante un símbolo, la cantidad de veces que sucede en un área determinada y que puede ajustar el usuario. Más info.

Herramientas: 4D, soporte a datos temporales

Se han desarrollado herramientas para disponer de soporte a datos temporales en gvSIG Desktop, el conocido como 4D. Mediante esta nuevas herramientas podemos asignar la capacidad temporal a una capa (incluso si no tiene campo fecha) y consultar los datos en un instante o rango temporal determinado. También dispone de herramientas para generar animaciones en la propia Vista, permitiendo ver una evolución temporal de la información. Más info.

Herramientas: información rápida

Esta herramienta permite mostrar información de las entidades vectoriales en forma de etiqueta cuando pasemos el ratón por encima y definir qué información queremos que se muestre. Más info.

Herramientas: GML Catastro

En la Unión Europea el formato de intercambio definido para Catastro es el GML con un esquema determinado. Se ha actualizado la funcionalidad de gvSIG Desktop para soportar los últimos cambios realizados sobre dicho GML. En el caso de España se ha comprobado que los datos generados con gvSIG Desktop son conformes a la validación catastral.

Bases de datos: H2GIS

En esta versión se ha incluido el soporte a base de datos H2GIS, el motor espacial de H2. Entre sus ventajas se encuentra el acceso a las propias herramientas de administración de H2 desde gvSIG Desktop, con lo que utilizando el lenguaje SQL podemos realizar cualquier operación de las muchas que permite H2GIS y, por tanto, añadiendo toda la funcionalidad de procesos SIG de H2GIS (¡que es mucha!) a gvSIG Desktop. Entre otras: Tratamiento de geometrías 2D y 3D, soporte de índices espaciales (mejorando la velocidad de carga de capas), importadores de diversos formatos, geoprocesamiento, triangulación, topografía, análisis de redes, descarga de datos OSM,…

Más info: aquí y aquí.

Bases de datos: Oracle

Se ha actualizado y optimizado el drive de base de datos de Oracle, permitiendo de este modo el trabajo con esta extendida base de datos.

Bases de datos: SQL Server

En gvSIG Desktop 2.4 se dispone de soporte a la base de datos SQL Server. SQL Server es un sistema de manejo de bases de datos del modelo relacional, desarrollado por la empresa Microsoft. SQL Server es una de las bases de datos más utilizadas. Más info.

Bases de datos: SpatiaLite

En gvSIG Desktop 2.4 se ha añadido el soporte a la base de datos SpatiaLite. SpatiaLite es un motor de base de datos SQLite al que se le han agregado funciones espaciales. Esta mejora además va a permitir intercambiar fácilmente datos entre gvSIG Mobile y gvSIG Desktop, ya que la aplicación móvil de la Suite gvSIG trabaja con SpatiaLite. Más info.

Datos: Nuevos servicios de mapas de OSM

La cartografía de OpenStreetMap es una de las bases cartográficas que más se utilizan a nivel mundial. En gvSIG Desktop 2.4 hemos añadido nuevos servicios de mapas de OSM que aportan tanto nuevas formas de representar la cartografía como servicios temáticos. Los nuevos servicios de mapas disponibles son: Open Sea Map, Open Railway Map, Carto Dark, Carto Light y HOT (Humanitarian OSM Team). Más info.

Datos: Descarga directa de datos de OSM

Una de las funciones de H2GIS permite la descarga directa de datos de OpenStreetMap. Esa sentencia la podríamos ejecutar desde la consola de H2GIS, pero por su utilidad (y para facilitar la vida a los usuarios) hemos optado por añadirla como una herramienta. Permite descargar la cartografía de OSM del encuadre que en ese momento tengamos en la Vista. Más info.

3D: Actualización de World Wind y mejoras en seguridad

Se ha actualizado la librería de World Wind de la NASA, el motor 3D de gvSIG Desktop. Esta nueva versión de World Wind incluye mejoras en protocolos de seguridad.

Geoproceso: Geocodificación

Mediante este geoproceso podemos convertir a capas de puntos una tabla con direcciones. La tabla, aparte de direcciones, también podría contener elementos característicos como museos, monumentos, instalaciones deportivas…, es decir, todo lugar que podríamos encontrar en buscadores como Google Maps, OpenStreetMap…, ya que emplea dichos motores de búsqueda para crear la geocodificación. Más info.

Geoproceso: Dispersión de puntos

Este geoproceso permite dispersar los puntos de una capa que se superponen alrededor de un punto central. Dada una capa de puntos, una distancia de concordancia y un radio de dispersión, este algoritmo recorre la capa de origen buscando grupos de puntos cuya distancia sea menor o igual a la distancia de concordancia y los dispersa, según el radio de dispersión, alrededor del centro de dicho grupo, generando una nueva capa de puntos con el resultado. Más info.

Geoproceso: Rossmo

Geoproceso que implementa el modelo matemático de Rossmo para detección de asesinos en serie. Permite calcular la probabilidad de que cada punto de un mapa sea el lugar habitual de un homicida serial. Más info.

Geoproceso: Calculador de población por área; manifestantes por unidad de superficie

Este geoproceso se realizó para calcular la cifra de asistentes a una manifestación. En definitiva permite calcular la población en una determinada área. Más info.

Interfaz: Configurador de tema de iconos

Este conjunto de herramientas nos permitirán crear nuevos temas de iconos de forma que podamos personalizar el aspecto de nuestro gvSIG Desktop. Si estás cansado del actual juego de iconos…con este complemento vas a poder cambiarlo y diseñarte tus propios iconos. Más info.

Interfaz: Juego de iconos TreCC de 16×16 y 22×22

Juego de iconos para cambiar totalmente el aspecto de gvSIG Desktop disponible en tamaños de 16×16 y 22×22. Más info.

Usabilidad: previsualización de proyectos

Al ir a abrir un proyecto en una determinada ubicación, esta nueva funcionalidad permite ver una imagen de los proyectos disponibles de gvSIG Desktop, lo que muchas veces nos puede ayudar a identificar aquel que queremos abrir. Esta imagen se actualiza cada vez que guardamos cambios en un proyecto. Más info.

Usabilidad: barras de herramientas

Para facilitar el trabajo diario de los usuarios en gvSIG Deskop 2.4 se ha mejorado la usabilidad de la aplicación situando las barras de herramientas en el siguiente orden lógico: Acciones sobre el proyecto, añadir capas, zooms, tabla de atributos, herramientas de información, herramientas de selección, herramientas de edición… Más info.

Usabilidad: Vista maximizada

Al abrir gvSIG Desktop 2.4 de forma automática se crea una Vista nueva maximizada, primeras acciones que siempre suele hacer un usuario. Además se ha añadido la opción en las ‘Preferencias’ de la aplicación, para que el usuario defina si quiere o no que gvSIG se comporte así.

Usabilidad: CRS de la Vista igual al de la capa

Al añadir una nueva capa veremos un nuevo botón, ‘CRS View’ en la imagen, que permite aplicar automáticamente la proyección de la capa a la Vista.

Acceso a la ayuda desde gvSIG Desktop

Se han añadido un par de opciones en el menú “Ayuda” que seguro que van a ser muy utilizadas. A veces las cosas más sencillas pueden ser las más útiles. Permiten por un lado acceder a todos los contenidos del manual de usuario de gvSIG Desktop y por otro buscar la documentación adecuada a una determinada consulta. Más info.

Biblioteca de símbolos: Seguridad (ISO-7010)

Disponer de una biblioteca de símbolos que contenga el estándar para representar los distintos pictogramas de seguridad puede ser útil para determinados trabajos. A partir de ahora ya los tienes disponibles en gvSIG Desktop. Más info.

Biblioteca de símbolos: Emojis

Un conjunto de símbolos muy popular y reconocible por la mayoría de usuarios, y que ahora tenéis disponible en gvSIG Desktop para poder representar vuestros datos de nuevas formas. Contiene símolos de actividades, naturaleza, banderas, comida y bebida, objetos, los conocidos smileys, símbolos de uso frecuente (números, letras,…), y lugares/viajes (que incluye simbología de medios de transporte). Más info.

Biblioteca de símbolos: Planificación Urbanística y Territorial de la Comunidad Valenciana

Mediante esta biblioteca se tienen disponibles todos los símbolos oficiales relacionados con planificación urbanística y territorial en la Comunidad Valenciana. Y, por supuesto, pueden ser utilizados por todos aquellos que requieran de esta simbología. Más info.

Desarrollo: Mayor funcionalidad utilizando gvPy

gvPy es una librería que facilita la ejecución de georocesos desde scripting. Entre otras cosas nos permite ejecutar scripts desde la caja de herramientas. Para gvSIG Desktop 2.4 se han añadido mejoras que permitan capturar objetos que antes no era posible capturar desde scripting, como por ejemplo gráficas. Más info.

Portables: Mejora en preferencias

Las versiones portables por defecto tienen las preferencias dentro de ella. Para ciertas organizaciones que utilizan la portable se ha habilitado la opción de poder usar el home del usuario para las preferencias; en este caso si alguna de las preferencias (scripts, símbolos,…) no están en el home del usuario, gvSIG se encarga de copiarlas allí antes de arrancar. De este modo se habilita la opción de que con la actualización de versiones de distribuciones portables se mantengan las preferencias del usuario.

Aplicación: Apertura de proyectos con capas defectuosas

Se ha mejorado la apertura de proyectos con capas que contienen errores. Con gvSIG Desktop 2.4, en caso de haber alguna entidad corrupta, el proyecto se abre completamente, indicando al usuario la capa que ha dado error y permitiendo cargarla de nuevo.

Aplicación: Arranque rápido

Se ha optimizado el arranque de gvSIG, minimizando el tiempo de apertura. También se realiza la carga de la base de datos de EPSG en segundo plano lo que implica que la consulta a la misma es inmediata.

Aplicación: soporte Windows 10

Se ha optimizado la distribución para Windows 10 a 64bits, que en versiones anteriores presentaba en algunos equipos problemas en la instalación.

Aplicación: nuevo navegador incorporado

Se ha incorporado un nuevo navegador web que optimiza la visualización de páginas web allí dónde es necesario, como por ejemplo en los hiperenlaces a páginas web o en la herramienta de Google Street View.

Aplicación: Carga rápida de scripts

Se han incorporado mejoras que permiten la carga rápida de scripts. Estas mejoras son especialmente útiles ya que gvSIG Desktop está aumentando considerablemente el número de herramientas desarrollas desde scripting.

Aplicación: tamaño optimizado de las distribuciones

Se han eliminado plugins secundarios de las distribuciones, disminuyendo así su tamaño. De este modo el usuario que quiera aumentar la funcionalidad de su gvSIG Desktop puede hacerlo desde el ‘Administrador de complementos’ por la opción de URL.

Y todavía hay más, pero no queremos lanzar todas las novedades de golpe!!. En gvSIG Desktop 2.4 van a estar disponibles a partir de la próxima semana tres nuevos plugins que multiplican considerablemente la funcionalidad de gvSIG Desktop: Horton Machine, gvSIG Mobile y Epanet.

Horton Machine

Horton Machine, anteriormente conocido como Jgrass, nos trae una nueva caja de herramientas con cientos de geoprocesos de todo tipo y que se suman a los más de 350 geoprocesos ya existentes en gvSIG Desktop. Con Horton Machine se tendrá acceso a herramientas para análisis geomorfológico, para HECRAS, para LiDAR, etc. Más info.

gvSIG Mobile

gvSIG Mobile es una app para la toma de datos en campo disponible en la Play Store de Google. Mediante este plugin podemos generar la base cartográfica para gvSIG Mobile desde Vistas de gvSIG Deskop. Y, por otro lado, podemos cargar directamente en gvSIG Desktop un proyecto realizado en gvSIG Mobile, incluyendo los creados con un formulario personalizado, imágenes, etc.

Epanet

Plugin para conectar con el software denominado “Epanet” y que permite el análisis de sistemas de distribución de agua potable. El programa es de dominio público y lo desarrolla la Agencia de Protección Ambiental de Estados Unidos (Environmental Protection Agency; más conocida por las siglas EPA). Más info: aquí y aquí.

Sólo nos queda agradecer el trabajo y apoyo a todas las personas y organizaciones que han hecho posible esta nueva versión. Sin las personas que colaboran en testeo, desarrollo, difusión…, sin las organizaciones que apuestan por la Asociación gvSIG como organización de soporte para sus necesidades ‘geo’, todo este trabajo no vería la luz. Gracias.

Como nota final nos gustaría comentar que estos últimos meses el equipo de gvSIG Desktop no sólo ha estado trabajando en gvSIG Desktop 2.4. En paralelo se ha estado trabajando intensamente en la próxima versión de gvSIG Desktop y que probablemente se denominará 3.0 por todos los cambios que trae!!!…pero de esto ya hablaremos en otra ocasión.

por Alvaro em February 21, 2018 04:30 PM

Blog IDEE (ES)

Copernicus, los datos abiertos, el software libre y los WMS


http://copernicus.eu/news/copernicus-free-open-source-community
El programa Copernicus genera 12 TB al día de datos de observación de la Tierra y se ha convertido en la tercer mayor proveedor de datos mundial.  

Declara tener una política de datos completamente abiertos y libres, que permite a cualquier usuario utilizar sus datos, y mantiene una relación muy interesante con la comunidad de software libre que crece bajo el paraguas de OSGeo. Hace unos días, ha dedicado en el área de noticias de su página web una interesante entrada a los integrantes de esa relación, desarrolladores que ayudan a abrir, usar y explotar sus datos.

Hay varias web y caminos para acceder a los datos Sentinel, pero para utilizarlos desde un software SIG, tenemos Sentinel Hub, un servicio gratuito para usos no comerciales en la web implementado por una empresa Eslovena (Sinergise) y financiado bajo el programa Horizonte 2020, que permite generar servicios WMS de los datos Sentinel. Incluso, han generado un plugin para QGIS que permite generar desde esa aplicación servicios WMS que publican datos Sentinel.
El plugin de Sentinel Hub para QGIS

Cuando en la primera mitad de este año 2018 la plataforma Data and Information Data Access Services (DIAS) de Copernicus esté disponible, tendremos acceso a servicios web abiertos que publicarán los datos Sentinel.

También hay disponible un plugin de clasificación semiautomática para QGIS, que permite importar directamente escenas de Sentinel-2 y procesarlas. Para usuarios más avanzados, SNAP Toolbox, un software libre financiado por la ESA que proporciona todas las herramientas necesarias para procesar datos Sentinel y obtener productos más elaborados. Tiene un foro que resulta de gran ayuda.

Esperemos que se desarrollen otros plugin parecidos para otras aplicaciones SIG.

En cuanto a la política de datos libre y completamente abierta de los datos Sentinel, parece que sí que es cierto. En esta nota legal se establece que están permitidos todos los usos para todo tipo de usuarios con la única condición de reconocer la autoría con una fórmula clara y sencilla.

Por otro lado, los datos están accesibles en el Copernicus Open Data Hub, donde es necesario registrarse (es decir, que no son datos completamente abiertos), en este enlace del INTA se explica cómo acceder a los datos; pero también es posible hacerlo sin ese registro, según se explica en este artículo de NosoloSIG aquí.

Publicado por el editor.

por editor (noreply@blogger.com) em February 21, 2018 05:47 AM

February 20, 2018

Processamento Digital [BR]

Lançamento do satélite Cbers 4A é adiado para maio de 2019

A crise financeira que atinge o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) vai atrasar o lançamento do sexto satélite sino-brasileiro, o Cbers 4A. A expectativa é que o equipamento, previsto inicialmente para entrar em órbita até dezembro deste ano, seja lançado em maio de 2019. A vida útil do antecessor Cbers-4 está no limite. A fase final […]

por Processamento Digital em February 20, 2018 08:54 PM

Blog IDEE (ES)

Las IDE y la gestión de emergencias y riesgos en Protección Civil

http://www.proteccioncivil.es/revistadigital/revistaNoticia.php?n=84
Inundación esperable para un periodo de retorno de 500 años de la ciudad de Burgos. Extraído del Sistema Nacional de Cartografía de zonas inundables mantenido por la Dirección General del Agua

Se ha publicado en el último número del 2017 de la Revista digital de Protección Civil un interesante artículo de Gregorio Pascual, Jefe de Área de Riesgos Naturales de ese organismo, sobre las ventajas y aplicaciones de las IDE en Protección Civil.

La necesidad de manejar datos geográficos de diversas fuentes, mezclarlos y superponerlos; la oportunidad de hacer llegar al público información en forma de mapas de manera ágil y eficaz, la utilidad de disponer de mapas que prevean posibles escenarios futuros, como los mapas de riesgo y de peligrosidad, y la gestión espacial de emergencias hacen de las tecnologías IDE, es decir de los servicios web interoperables y estándar, la manera mas natural de abordar las necesidades de información en este campo.

(Ya sabéis que no hay que confundir peligro, la probabilidad de que ocurra una adversidad, con el riesgo, la probabilidad de que una adversidad cause daños a las personas o a sus bienes).

                
http://www.proteccioncivil.es/
 
Publicado por el editor.

por editor (noreply@blogger.com) em February 20, 2018 05:53 AM

iDea Plus Geo (BR)

Aprendendo SIG com Game of Thrones (XII): Edição gráfica

Complementando um exercício anterior no qual havíamos tratado a edição de tabelas, neste veremos a edição gráfica. As ferramentas de edição gráfica permitem criar e editar dados vetoriais. A única coisa que devemos observar é que determinados formatos de dados são somente de leitura e não permitem a edição.

Para adicionar ou modificar elementos de uma camada é necessário que a camada esteja ativa e em modo de edição. Em função do tipo de camada a editar estarão disponíveis determinadas ferramentas (para pontos, linhas e/ou polígonos).

Estas ferramentas estão disponíveis a partir do menu “Camada“ nos submenus “Remover”, “Inserir” e “Modificar”, do menu “Editar” e na barras de ícones correspondentes.

Como sempre comentamos, este é um curso básico de introdução aos SIG, mas se quiser conhecer em detalhe todas as ferramentas de edição recomendamos consultar o manual do gvSIG Desktop:

Feita esta breve introdução, vamos realizar a nossa prática com os dados de Game of Thrones.

Nosso exercício consistirá em criar uma camada nova na qual iremos adicionando as rotas ou viajes que seguem cada um dos protagonistas da saga. Nesse caso, desenharemos o caminho percorrido pelos irmãos Greyjoy de Pyke a Meereen passando por Volantis.

O primeiro passo será criar uma nova camada (no formato shapefile). Encontramos esta ferramenta no menu “Vista/Nova camada”.

A interface irá guiando nossos passos para criar a nova camada:

figura12_01

Devemos selecionar “Criação de nova camada Shape” e clicar no botão “Próximo”.

figura12_02

No próximo passo, “Arquivo de saída”, indicamos o nome e o caminho onde será salva a nova camada (por exemplo podemos chamá-la “Routes”). Uma vez definido devemos clicar no botão “Próximo”.

figura12_03

Neste passo podemos definir o tipo de camada: Point (Pontos), Curve (Linhas), Surface (Polígonos) ou Multipoint (Multipontos). No nosso caso, por querermos representar rotas, necessitamos uma camada de linhas. Portanto, selecionamos o tipo de geometria “Curve”.

Com o botão “Adicionar campo” podemos adicionar campos de atributos à nova camada. Adicionaremos um que chamaremos “Name”, do tipo “String” (cadeia de texto) que servirá para identificar cada rota.

figura12_04

Se quisermos adicionar outros campos, podemos fazê-lo agora. Uma vez definida a tabela de atributos, clicamos no botão “Próximo”.

figura12_05

Por último selecionamos a opção de adicionar a nova camada à Vista. Para terminar clicamos no botão “Finalizar”. Já temos a nova camada em nossa Vista. Uma camada vazia, sem elementos, e que agora devemos começar a preencher de conteúdo.

Para facilitar o desenho da rota, como já vimos no exercício “Rotulagem”, vamos rotular a camada “Locations”, o que nos permitirá identificar facilmente os lugares pelos que passam o caminho que iremos desenhar: Pyke, Volantis e Meereen. Também podemos utilizar as ferramentas de seleção e o “localizador por atributo” para identificar estas localizações.

Em primeiro lugar vamos tornar editável a nossa camada. Com a camada ativa, podemos fazê-lo no menu “Camada/Iniciar edição” ou no menu contextual que aparece ao clicar com o botão secundário sobre a camada no TOC ou Tabela de conteúdos.

figura12_06

Quando uma camada está em edição seu nome altera para a cor vermelha:

figura12_07

Além disso, podemos ver que apareceram novas barras de ferramentas que permitem tanto desenhar novos elementos como editar os já existentes:

figura12_08

A última alteração na interface se situa na parte inferior da Vista, onde podemos expandir ou contrair uma barra de comandos:

figura12_09

Antes de começar o desenho do caminho devemos conhecer duas ajudas fundamentais ao desenho. Com a roda do mouse, movendo para frente e para trás, podemos alterar a escala de visualização. Com a roda do mouse clicada podemos deslocar-nos pela cartografia.

Para começar a desenhar a rota selecionamos a ferramenta “Desenhar polilinha”:

figura12_10

Nos posicionamos perto de Pyke e clicamos com o mouse, e já temos o primeiro ponto da nossa rota. Agora iremos utilizando a roda do mouse para navegar pela cartografia e ir adicionando pontos intermediários até chegar a Volantis, e posteriormente a Meereen. Após posicionarmos o último ponto clicamos com o botão secundário do mouse e no menu contextual que aparece selecionamos a opção “Finalizar”. Como vimos no exercício de “Edição de Tabelas” agora poderíamos editar seus atributos e colocar, por exemplo, “Greyjoy brothers” para identificar esta viajem.

Em seguida poderíamos adicionar novas rotas, cada uma das quais seria um novo elemento da camada. Neste caso paramos por aqui, portanto acessamos o menu “Camada/Terminar Edição”.
O resultado será similar ao seguinte:

figura12_11

Vocês já estão preparados para praticar e conhecer em profundidade as demais ferramentas de edição! E também podem praticar as ferramentas que já vimos anteriormente, por exemplo adicionando como hyperlink uma imagem identificativa de cada rota.

figura12_12

Nos vemos novamente no antepenúltimo artigo deste curso, no qual faremos uma introdução ao geoprocessamento.

por admin em February 20, 2018 01:02 AM

February 19, 2018

Blog do gvSIG (ES)

GIS applied to Municipality Management: Module 13 ‘Layouts’

The video of the thirteenth module is now available, in which we will show how to create maps with the geographic information that we have in our views.

The layout will be the document that we can print, or export to PDF or PostScript, and in which we will insert the views that we have created in our project.

On the layout we can insert all type of elements, such as texts, north arrow, scale, legend, images or logos, charts, rectangles, lines…

The cartography to follow this video can be downloaded from this link.

Here you have the videotutorial of this new module:

Related posts:

por Mario em February 19, 2018 10:49 AM

Blog IDEE (ES)

FOSS4GIS Europa 2018 en Guimaraes

https://foss4g-europe.osgeopt.pt/

El Congreso FOSS4GIS en Europa 2018 se celebra en Guimarães (Portugal) del 17 al 19 de julio. Los temas del evento son:
  • Modelos de negocio y casos de estudio FOSS4GIS
  • Cartografía
  • Datos abiertos
  • Interoperabilidad
  • INSPIRE
  • Observación de la Tierra
  • Infraestructuras de Daos Espaciales
  • FOSS4G en la administración nacional, regional y local
Como puede verse en los temas a considerar, las IDE tienen mucha presencia en el mundo del software libre para datos geográficos. La verdad, es que la implementación de la Directiva INSPIRE necesita de más y mejores herramientas para ETL, publicación de servicios, catálogos de metadatos y otras funcionalidades relacionadas.

Además,  Guimarães es una ciudad tranquila, agradable y de una gran belleza. Se trata de un lugar lleno de historia, un enclave medieval donde se dice que nació el reino de Portugal.

Para más información, véase la web del congreso.

Publicado por el editor.

por editor (noreply@blogger.com) em February 19, 2018 03:22 AM

February 17, 2018

iDea Plus Geo (BR)

Aprendendo SIG com Game of Thrones (XI): Rotulagem

Depois de introduzirmos a simbologia do gvSIG Desktop no exercício anterior, neste vamos trabalhar com a “Rotulagem”.

Um rótulo é um texto descritivo baseado em um ou vários atributos de uma entidade. Os rótulos são posicionados dinamicamente sobre ou próximo dos elementos de uma camada, e são representados em função das características de rotulagem definidas pelo usuário. É importante notar que os rótulos não podem ser diretamente manipulados pelo usuário.

No gvSIG há duas modalidades para gerar a rotulagem de uma camada, uma rápida e muito simples, e outra mais complexa mas que permite definir um grande número de características da rotulagem.

Do mesmo modo que na simbologia, são muitas as ferramentas que nos permitem caracterizar uma rotulagem, pelo que recomendamos que revises a seção de “Rotulagem” do manual do usuário.

Vamos fazer um primeiro exercício de rotulagem básica sobre a camada “Political”. Primeiramente temos que abrir a janela de “Propriedades” da camada. Com a camada ativa encontramos esta opção no menu “Camada/Propriedades” ou então, ao clicarmos diretamente com o botão secundário do mouse sobre a camada será aberto um menu que inclui o acesso às suas “Propriedades”. Vamos na aba “Rotulagem” da janela de “Propriedades da camada”. Se marcamos a opção “Ativar rotulagem” já teremos disponíveis todas as opções do que chamamos rotulagem básica.
figura11_01
O ponto principal é definirmos o campo da Tabela de atributos da camada que queremos utilizar para gerar a rotulagem. No nosso caso selecionamos o campo “name”, que contém o nome. Digitamos, por exemplo, um tamanho de fonte de “12” e os valores restantes deixamos com os valores padrão. Clicamos no botão “Aplicar” e/ou “Aceitar” e já veremos o resultado refletido na Vista.

figura11_02

Ocultar (ou voltar a ativar) a rotulagem é tão simples como ir na aba “Rotulagem” das “Propriedades da camada” e marcar ou desmarcar a opção “Ativar rotulagem”.

Se queremos fazer rotulagens mais elaboradas, devemos selecionar na aba “Rotulagem” a opção “Rótulos definidos pelo usuário” em lugar da que aparece por padrão de “Atributos da etiqueta definidos na tabela”. E no menu suspenso “Classes” selecionamos o “Método” definido como “Rotular todas as feições da mesma maneira”. O aspecto da janela será alterado e passará a ser semelhante ao da imagem:

figura11_03

Como já comentamos, nesta modalidade são muitas as opções, pelo que recomendamos aprofundar e experimentar com a ajuda do manual de usuário. No nosso caso vamos a fazer uma alteração simples na rotulagem já existente.

Clicamos no botão de “Propriedades” e será aberta uma nova janela:

figura11_04

A primeira coisa que devemos definir é a expressão de rotulagem. Para isto clicamos no botão “…” da primeira linha da tabela de “Expressão de rotulagem”. Na janela que se abre indicamos que queremos rotular pelo atributo “name”, selecionando o campo e clicando em “Adicionar campo”. Poderíamos complicar a expressão de rotulagem com tudo o que quiséssemos, mas neste caso utilizaremos unicamente o atributo “name” que usamos também na rotulagem básica.

figura11_05

Ao clicar em “Aceitar” vemos que a expressão já aparece na “Expressão de rotulagem”:

figura11_06

Agora vamos utilizar uma opção não disponível na rotulagem básica, o halo. O halo pode ser útil em muitos casos para melhorar a visualização dos rótulos. Marcamos a opção “Usar halo” e selecionamos uma cor para o halo. Neste momento podemos selecionar outras características como o tipo, a cor e o tamanho da fonte.

figura11_07

Uma vez definidas as características da Rotulagem clicamos em “Aceitar”. A janela é fechada e voltamos na de “Propriedades da camada/Rotulagem”. Agora vamos entrar nas opções de “Colocação”; ao clicar no botão será aberta a seguinte janela:

figura11_08

Selecionamos a opção “Eliminar rótulos repetidos” (experimentem com outras opções para ver a diferença) e aceitamos. Aplicamos a rotulagem e já temos o resultado que buscávamos.

figura11_09

Terminamos aqui este exercício, mas recomendamos que explorem as opções muito interessantes existentes, como a que permite rotular de forma diferente em função da escala de visualização. Lembramos também que as opções de rotulagem se alteram em função do tipo de geometrias da camada (pontos, linhas e polígonos).

Agora só faltam quatro artigo para terminarmos este mini-curso. Esperamos que estejam gostando desta original introdução aos SIG.

por admin em February 17, 2018 11:02 AM

February 16, 2018

iDea Plus Geo (BR)

Aprendendo SIG com Game of Thrones (X): Legendas

Neste exercício vamos a aprender a alterar a simbologia de uma camada, revisando os diferentes tipos de legendas que estão disponíveis no gvSIG Desktop.

A simbologia é uma das propriedades mais importantes de uma camada. O gvSIG inclui uma grande variedade de opções para representar camadas com símbolos, gráficos e cores. Com exceção do símbolo único, nas outras legendas os símbolos são designados para cada elemento segundo seus valores de atributo e as propriedades do tipo de legenda selecionada.

Por padrão, quando se adiciona uma camada a uma Vista os elementos são representados com um símbolo único de cor aleatória, ou seja, todos os elementos da camada são representados com o mesmo símbolo. Para modificar a simbologia de uma camada devemos acessar a sua janela de “Propriedades” e selecionar a aba “Simbologia”. Vamos abrir nosso projeto de “Game of Thrones” e começar a explorar esta seção do gvSIG Desktop.

Se queremos alterar um símbolo a forma mais simples é dar um duplo clique sobre o mesmo no TOC (Tabela de conteúdos contendo a lista das camadas). Será aberta uma janela para selecionar o novo símbolo. Por exemplo vamos a fazer duplo clique sobre o símbolo da camada “Rivers”.

figura10_01

Na janela que aparece podemos alterar a cor, a espessura da linha, clicar sobre uma das bibliotecas de símbolos instaladas (por padrão está “gvSIG Basic”, embora através do gerenciador de complementos podemos instalar muitas outras). Neste caso vamos especificar uma espessura de 3 e selecionar um azul mais escuro. Clicamos em “Aceitar” para aplicar as alterações.

figura10_02

Em seguida vamos ver os tipos de legendas disponíveis e faremos uma para os diferentes tipos de localizações, atributo que já trabalhamos em exercícios anteriores. As possibilidades em relação a simbologia são muitas, por isso além deste exercício introdutório pode ser útil revisar a documentação adicional.

O primeiro passo a fazer é abrir a janela de “Propriedades” da camada. Com a camada ativa encontramos esta opção no menu “Camada/Propriedades” ou diretamente com o botão principal do mouse sobre a camada. Será aberto um menu que inclui o acesso às “Propriedades”.

figura10_03

Acessando a aba “Simbologia” veremos uma janela com a simbologia atualmente aplicada. Na esquerda podemos ver todos os tipos possíveis de legendas. Atenção: segundo o tipo de camada (pontos, linhas ou polígonos) algumas legendas podem não estar disponíveis.

figura10_04

Neste caso vamos selecionar uma legenda de “Categorias/Valores únicos”. Este tipo de legenda é utilizada para designar um símbolo para cada valor único de um campo específico da tabela de atributos da camada. Cada elemento é desenhado segundo um valor de atributo que identifica a categoria. No nosso caso selecionamos o campo de classificação “Type”; clicamos o botão “Adicionar todos” e será visualizada a legenda gerada por padrão:

figura10_05

Os Rótulos (lado direito) podem ser modificados. Experimente alterar o texto.

Agora, dando um duplo clique em cada um dos símbolos será aberta uma janela na qual, clicando em “Selecionar símbolo”, podemos modificá-los ou selecionar novos símbolos a partir de nossas bibliotecas de símbolos. Após selecionados clicamos em “Aplicar” e veremos o resultado refletido em nossa “Vista”.

figura10_06

A melhor forma de aprender os diferentes tipos de legendas é praticando… fica a lição. Também é recomendado instalar e provar as diferentes bibliotecas de símbolos que estão disponíveis para o gvSIG (centenas de símbolos de todo tipo!!)

Até o próximo artigo…

por admin em February 16, 2018 10:33 AM

Blog do gvSIG (ES)

Recording of webinar on “gvSIG Suite: open source software for geographic information management in agriculture” is now available

If you weren’t be able to follow the webinar on “gvSIG Suite: open source software for geographic information management in agriculture”, organized by GODAN and gvSIG Association, you can watch the recording now at the gvSIG Youtube channel:

The webinar was oriented to show the gvSIG Suite, a complete catalog of open source software solutions, applied to agriculture.

The gvSIG Suite is composed of ‘horizontal’ products:

  • gvSIG Desktop: Geographic Information System for editing, 3D analysis, geoprocessing, maps, etc
  • gvSIG Online: Integrated platform for Spatial Data Infrastructure (SDI) implementation.
  • gvSIG Mobile: Mobile application for Android to take field data.

and sector products:

  • gvSIG Roads: Platform to manage roads inventory and conservation.
  • gvSIG Educa: gvSIG adapted to geography learning in pre-university education.
  • gvSIG Crime: Geographic Information System for Criminology management.

At the webinar we also showed several successful case studies in agriculture and forestry. You also can consult another case studies at gvSIG Outreach website in this sector and other related sectors (they are in their original language but there’s a translator at the left side):

The presentation is available at this link.

If you want to download gvSIG Desktop you can do it from the gvSIG website, gvSIG Mobile is available from the Play Store, and if you are interested in implementing gvSIG Online in your organization you can contact us by e-mail: info@gvsig.com.

If you have any doubt or problem with the application you can use the mailing lists.

And here you have several links about training on gvSIG, with free courses:

por Mario em February 16, 2018 09:33 AM

Blog IDEE (ES)

GEOUP4: georreferenciando artículos de investigación


Hemos visto un visualizador muy curioso, desarrollado como proyecto conjunto de las cuatro universidades politécnicas de España, la Universidad Politécnica de Madrid (UPM), la Universidad Politécnica de Cataluña (UPC), la Universidad Politécnica de Valencia (UPV) y la Universidad Politécnica de Cartagena (UPC), que han firmado un Convenio de Colaboración que da cobertura a la iniciativa.

Se trata de GEOUP4, un visualizador público y abierto en el que se muestra la georreferenciación del tema de los  artículos de investigación y trabajos académicos publicados por las cuatro instituciones, que aunque solo suponen un 5 % de las universidades españolas, en 2013 publicaron un 32 % de la producción cientifíca de nuestro país.

Cuando se hace clic sobre uno de los puntos, se abre una pequeña ficha descriptiva del trabajo  que incluye un enlace para acceder al texto original, en línea con la filosofía y práctica Open Access.

Ahora mismo el proyecto se encuentra en fase de desarrollo y muestra unas 3000 referencias, pero se prevé que a finales de año sean  20 000 y en cuatro años, más de 100 000. La iniciativa tiene su origen en el proyecto GeoCommons iniciado por la UPC en 2016 y la idea es que puede ayudar para dar a conocer y compartir públicamente los trabajos realizados y para relacionarlos espacialmente y recuperar todos los relativos a un miso lugar o región.

El visualizador es muy atractivo, está hecho con OpenLayers, utiliza los datos de OpenStreetMap como fondo y ¡ay! no está basado en estándares OGC, con lo que los datos que se ven no se pueden superponer a otros mapas tan fácilmente, pero en cualquier caso, está fenomenal. Ahora lo que sería fantástico es que el resto de Universidades se animasen a hacer lo mismo.

Publicado por el editor.

por editor (noreply@blogger.com) em February 16, 2018 06:38 AM

Anderson Medeiros [BR]

Como fazer Mapas de Símbolos Pontuais Proporcionais no QGIS

Tutorial: Mapas de Símbolos Pontuais Proporcionais

Você sabe o que é e para que servem os mapas de símbolos proporcionais? Neste tutorial vamos ensinar como fazer um Mapa de Símbolos Pontuais Proporcionais no Software QGIS e vamos apontar alguns aspectos conceituais relacionados.

INTRODUÇÃO AOS MAPAS DE SÍMBOLOS PROPORCIONAIS

Os mapas de símbolos proporcionais, como o próprio nome já indica, fazem o emprego de símbolos para exibir fenômenos relacionados com uma certa localidade e magnitude (intensidade).

A tela a seguir, extraído de um dos slides que utilizamos para ministrar nossos treinamentos de Geotecnologias, destaca as principais vantagens e desvantagens deste tipo de mapa. A imagem serve de resumo desta breve explicação que vamos fornecer.

ClickGeo: Mapas de Símbolos Pontuais Proporcionais no QGIS

Em geral, o símbolo é posicionado no local de ocorrência do evento e a sua área fica sendo proporcional à magnitude do fenômeno. É bastante usado quando trabalhamos com dados absolutos, ou seja, quantidades.

Alguns exemplos de aplicação deste tipo de mapa: Número efetivo de determinado rebanho ou de uma população, área plantada, quantidade de crimes por unidade espacial (município, bairro, etc), e assim por diante.

Mas é digno de nota que este tipo de representação não é dos mais adequados para representar variáveis como densidade demográfica, índices, taxas e números semelhantes, assim como em casos onde o objetivo é mostrar distribuição espacial.




É importante estar atento ao fato de que quando temos pontos relativamente próximos os círculos maiores podem acabar sobrepondo outros menores da área de interseção, ocultando sua visualização.

Por fim, vale lembrar que estes mapas não permitem a devida representação de classes para valores nulos ou que sejam negativos. Ou seja, o analista deve estar bastante atento quanto a se este tipo de mapa é o melhor para determinado caso específico.

COMO GERAR UM MAPA DE SÍMBOLOS PROPORCIONAIS

Vamos agora aprender com um exemplo prático, onde vamos representar a população municipal de um estado utilizando símbolos proporcionais.

Neste caso pegamos o shapefile dos municípios da Paraíba [clique aqui para baixar] onde na tabela de atributos temos o dado de população total de cada cidade.

Depois criamos um centroide de cada polígono. Vale lembrar que os centroides herdam os mesmos atributos dos polígonos sobre os quais estes estão localizados.

Mapas de Símbolos Pontuais no QGIS

Acesse as propriedades da camada pontual. Depois acesse a aba Estilo e escolha o tipo Graduado (lembre: só podemos usar dados numéricos na construção deste mapa).

Como fazer Mapas de Símbolos de Pontos com QGIS

Na sequência, em Coluna indique qual é o campo da tabela de atributos que tem o dado de interesse. Neste exemplo os dados de população estão na coluna POPTOTAL.

A seguir vem o detalhe mais importante: Em Método escolha a opção Size. Este é o detalhe mais importante até aqui, pois ele “destrava” o recurso de usar símbolos proporcionais.

Acima do botão Classificar (em destaque na imagem abaixo) você pode indicar o Modo em que os dados serão distribuídos.  Para este tutorial fizemos uma representação usando as chamadas Quebras Naturais (Jenks).

Em um futuro conteúdo de nosso site iremos explicar em detalhes estas diferentes formas de organização dos dados (Quebras Naturais, Desvio Padrão, Quantis, Quebras Claras, etc).

Lembre que você pode ajustar manualmente os limites de cada classe, o número de casas decimais e a legenda. Isso ajuda a refinar a qualidade visual dos seus resultados. Aqui usamos basicamente as configurações padrão.

Fazer Mapas de Símbolos Pontuais Proporcionais no QGIS

Na imagem a seguir você pode conferir o resultado desta geração do mapa. Consegue perceber neste mapa algumas das vantagens e desvantagens mencionados na imagem do começo deste material?

Gerar Mapas de Símbolos Pontuais Proporcionais no QGIS

Para ampliar o nível de visualização, aplicamos um zoom na região leste do mapa. Note a variação significativa das áreas representando os números da população.

Como fazer Mapas de Símbolos Pontuais Proporcionais no QGIS

Este material foi preparado para suprir uma demanda de um de nossos alunos. Percebemos que seria um conteúdo interessante para toda a comunidade.

Gostou deste tutorial? Ficou com alguma dúvida? Não deixe de ver também estes outros conteúdos relacionados com nossa dica de hoje:

Aguardamos seus comentários, inclusive com sugestões de temas para novos artigos.

Cadastre-se Gratuitamente em nossa Lista VIP e receba nossas novidades por e-mail. Curta nossa página no Facebook [PortalClickGeo] e siga nosso Canal no Youtube para continuar atualizado sobre o Mundo das Geotecnologias

por Anderson Medeiros em February 16, 2018 01:08 AM

February 15, 2018

Processamento Digital [BR]

União do Aerolevantamento com Batimetria com utilização de DRONES

Você já deve ter ouvido falar sobre inúmeras aplicações dos Drones e dos benefícios que esta tecnologia tem agregado. O QUE É VANT OU DRONE? VANT é a sigla de Veículo Aéreo Não Tripulado, popularmente conhecido como Drone. Um Sistema VANT é composto por uma Estação de Controle Remota e uma plataforma aérea embarcada com […]

por Hex GIS em February 15, 2018 04:21 PM

iDea Plus Geo (BR)

Aprendendo SIG com Game of Thrones (IX): Exportar Vista para imagem

No gvSIG existem ferramentas para desenhar mapas mais ou menos complexos, porém há muitos casos em que necessitamos ter uma imagem rápida do enquadramento de uma Vista do gvSIG e não precisamos nada mais; por exemplo para utilizar essa imagem em um documento que estamos redigindo.

Neste exercício vamos estudar uma ferramenta muito simples mas muito útil quando queremos ter uma imagem imediata da nossa Vista.

Para executá-la simplesmente devemos ir ao menu “Vista/Exportar/Exportar Vista para imagem”. Abrirá uma nova janela onde simplesmente indicaremos onde queremos salvar o arquivo de imagem e em que formato (jpg, png, bmp ou tiff).

figura09_01

Uma ferramenta simples e útil, e muitas vezes desconhecida pelos usuários do gvSIG.

por admin em February 15, 2018 12:30 PM

Blog do gvSIG (ES)

GIS applied to Municipality Management: Module 12 ‘Geoprocessing’

The video of the twelfth module is now available, in which we will see the geoprocessing tools in gvSIG.

gvSIG has more than 350 geoprocesses, both for raster and vector layers, which allow us to perform different types of analysis, for example to obtain the optimal areas to locate a specific type of infrastructure.

Using the geoprocesses that are available in gvSIG we can create buffers for example, to calculate, among other things, the roads or railways rights of way. Then an intersection can be applied with a layer of parcels to obtain which part of each parcel should be expropriated. We can also make hydrological analysis, merge layers…

The cartography to follow this video can be downloaded from this link.

Here you have the videotutorial of this new module:

Related posts:

por Mario em February 15, 2018 08:52 AM

Anderson Medeiros [BR]

Guia Definitivo de Integração entre QGIS e PostGIS

Download: Guia Definitivo de Integração entre QGIS e PostGIS

Preparamos um material gratuito, bastante prático sobre o processo de integração do QGIS com o PostgreSQL/PostGIS. Este guia está disponível na forma deste tutorial e como PDF para download.

E-BOOK INTEGRAÇÃO ENTRE QGIS E POSTGIS

As explicações a seguir consideram que em seu computador já estão devidamente instalados o QGIS, PostgreSQL e o módulo geográfico PostGIS. Não é nosso foco aqui detalhar o processo de instalação dos programas, mas sim a integração entre Banco de Dados e Sistemas de Informações Geográficas.

Este material didático estará organizado em três tópicos:

  1. Criação de um banco de dados geográficos partindo do zero;
  2. Importação de dados geográficos para o banco usando o QGIS;
  3. Visualização no QGIS de dados que estão no banco de dados.

A seguir você confere o conteúdo do e-book na forma de texto ilustrado (link para baixar o PDF no final deste guia).

1. CRIAÇÃO DO BANCO DE DADOS

Para criar um banco de dados habilitado espacialmente, siga os seguintes passos: Depois de abrir o PgAdmin clique com o botão direito sobre o servidor PostgreSQL e escolha a opção Connect.

Connect: Conectando o Banco de Dados

Em Connect to Server digite a senha definida durante a instalação do PostgreSQL e clique em OK.

Inserir Senha no PostgreSQL

Você perceberá que clicando no sinal [+] ao lado de Databases aparecerão os bancos de dados de template (modelos) que são criados por padrão durante a instalação do PostgreSQL e do PostGIS.

O que tem postgis no nome é o template para criação de bancos de dados que serão habilitados espacialmente.

Template PostGIS

Clique com o botão direito sobre Databases e escolha a opção New Database….

Criando novo banco de dados

Na janela New Database…, na aba Properties informe o nome do banco (aqui chamamos de cursoqgis). Depois vá para a aba Definition.

Nomeando o Banco de Dados

Na aba Definition apenas escolha como Template o modelo que tem postgis no nome. Neste exemplo é o postgis_22_sample (que se refere a versão 2.2 do PostGIS). Não é necessária nenhuma outra alteração.

Clique em OK e aguarde alguns segundos para que o banco seja criado.

Criando um Banco de Dados no PostGIS

Clique no nome do banco (cursoqgis) e navegue pelo sinal de [+] através das opções Schemas → public → Tables e encontre a tabela spatial_ref_sys (ela é a prova concludente de que seu banco está habilitado espacialmente).

PostGIS: Banco Habilitado espacialmente

2. IMPORTAÇÃO DE DADOS PARA POSTGIS

Nosso banco de dados criado no tópico anterior (cursoqgis) está vazio. Precisamos importar dados geográficos para ele.

Para começar este processo, acesse o menu Camada → Adicionar camada → PostGIS….

Dados PostGIS no QGIS

Na janela que será aberta, Adicionar tabela(s) PostGIS, clique em Novo.

Adicionar Tabelas de Dados PostGIS

Será aberta a janela Criar nova conexão PostGIS. Veja as explicações sobre o significado de cada um desses parâmetros fornecidos na imagem a seguir.

Guia de Integração entre QGIS e PostGIS

  • Nome: É a denominação (uma identificação) dada à conexão. Pode ser um nome aleatório, mas é aconselhável que se escolha algo que ajude você a relacionar facilmente o nome da conexão ao tipo de dados representados por ela. (No nosso caso escolhemos colocar Curso QGIS);
  • Máquina: Esse parâmetro diz respeito ao local onde está armazenado seu banco. Como neste exemplo ele está na própria máquina, usamos localhost (indicação de Máquina local). No caso de computadores em rede, pode-se acessar um banco remotamente fornecendo-se o IP da máquina que contém as bases;
  • Porta: Por padrão, usa-se para o PostgreSQL o valor 5432;
  • Base de Dados: Deve ser preenchido, evidentemente, com o nome do banco de dados no qual será criada a nova tabela espacial. O nome do banco deve ser escrito exatamente da mesma forma como foi criado no PgAdmin. Em nosso caso, cursoqgis;
  • Usuário: Nome do usuário gerenciador do banco de dados, em geral definido durante a instalação do PostgreSQL (em nosso caso, postgres);
  • Senha: Também definida durante a instalação do banco de dados, visando a segurança no tocante ao acesso aos dados (em nosso caso, postgres).

Neste exemplo decidimos Salvar os dados de Usuário e Senha para que o programa não fique perguntando repetidamente. Isso não seria recomendável se nossos dados fossem sigilosos ou algo neste sentido.

Clique em Testar conexão e se estiver tudo certo, clique em OK.

A mensagem abaixo só aparecerá se você, assim como fizemos neste exemplo, salvarmos os dados de usuário e senha. Pode clicar em OK, pois esta mensagem é apenas um aviso de que uma ação como essa poderia deixar seus dados vulneráveis.

Senha de Usuário Gravada

Note que agora podemos ver na lista de Conexões a conexão que criamos. Pode fechar a janela depois disso, pois não precisaremos mais dela por enquanto.

Conexão criada com PostGIS

Acesse agora o menu Base de Dados → Gerenciador BD → Gerenciador BD.

QGIS: Gerenciador BD

Na janela que será aberta do Gerenciador BD, navegue usando o sinal de [+] através de PostGIS → Curso QGIS → public (clique sobre ele). Vale lembrar que aqui Curso QGIS é o nome da conexão que criamos nos passos anteriores.

Na sequência, clique no ícone em destaque na imagem abaixo (Importar Camada/arquivo).

Gerenciador de Banco de dados no QGIS

Vamos importar para o banco um shapefile que tem a divisão municipal da Paraíba. Para isso, clique no símbolo de reticências e procure o arquivo na pasta.

Depois, clique em Opções de atualização para que o próprio programa preencha os principais campos restantes nesta janela. Neste exemplo decidimos colocar como nome da Tabela a palavra paraiba (em letras minúsculas e sem acento). Por fim, clique em OK.

Importar Camada Vetorial

Aparecerá uma janela de confirmação da importação do arquivo. Clique em OK para que ela feche.

Se você voltar no PgAdmin e usar a tecla F5 de seu teclado para atualizar a visualização da estrutura do banco cursoqgis você verá a nova tabela criada.

Nova Tabela PostGIS criada

Você acabou de converter um arquivo shapefile em uma tabela espacial do seu banco de dados. A próxima etapa é visualizar esta tabela no QGIS.

3. VISUALIZAÇÃO DOS DADOS DO BANCO NO QGIS

Acesse mais uma vez o menu Camada → Adicionar camada → PostGIS….

Integrando QGIS com PostGIS

Selecione a conexão Curso QGIS e clique em Conectar.

Depois, clique no sinal [+] ao lado de public e selecione a tabela paraiba.

Por fim, clique em Adicionar. O mapa aparecerá na tela de visualização do QGIS.

Download: Guia Definitivo de Integração entre QGIS e PostGIS

Lembre-se que isso que está sendo visualizado não é mais um shapefile, mas sim uma tabela espacial inserida no banco de dados.

Esta tabela que está sendo visualizada no QGIS pode ser editada à vontade (lembrando que as edições que forem salvas serão gravadas no banco), usada para construção de mapas temáticos, análise espacial, etc.

Além disso, ela também pode ser salva como arquivo vetorial (shapefile, KML, DXF, etc.) a partir da opção Salvar como…

Entendeu? Ficou com alguma dúvida? Deixe seus comentários.

DOWNLOAD DO E-BOOK GRATUITO

O que achou deste material? Quer ter acesso à ele em qualquer momento, mesmo sem acesso imediato à internet? Então, para fazer o download deste material no formato PDF, acesse o link abaixo:




Guia Definitivo de Integração entre QGIS e PostGIS

Quer ler mais sobre o PostGIS? Acesse os links complementares a seguir:

Cadastre-se Gratuitamente em nossa Lista VIP e receba nossas novidades por e-mail. Curta nossa página no Facebook [PortalClickGeo] e siga nosso Canal no Youtube para continuar atualizado sobre o Mundo das Geotecnologias

por Anderson Medeiros em February 15, 2018 04:21 AM

Blog IDEE (ES)

Megalópolis maya encontrada con LiDAR

https://elpais.com/elpais/2018/02/12/album/1518429337_635840.html#foto_gal_3
Modelo Digital de Superficies que muestra una muralla de unos 14 km ceca de Tikal (Imagen EFE)

Ya hemos publicado varias entradas en este blog sobre las aplicaciones arqueológicas de los servicios de visualización WMS y WMTS basados en datos LiDAR y ortofotos; pero aun así esta noticia nos ha sorprendido.
 
Un equipo de arqueólogos ha descubierto unos 60 000 edificios mayas, incluyendo pirámides, tumbas y palacios, ocultos bajo la selva del Petén, una frondosa región al norte de Guatemala, gracias a un levantamiento LiDAR de la zona. 

Un consorcio internacional de investigadores bajo el paraguas de PACUNAM (Fundación PAtrimonio CUltural y NAtural Maya) efectuó una toma de datos LiDAR en el verano de 2016 en 10 zonas de la Reserva de la Biosfera Maya en el Petén, en total más de 2 100 km², el mayor levantamiento de ese tipo ejecutado hasta la fecha, han generado un Modelo Digital de Superficies que describe el terreno por debajo de la floresta y el resultado ha sido sorprendente.

Han aparecido multitud de asentamientos ocultos durante siglos bajo la vegetación, incluyendo una pirámide de 30 m de altura que se creía que era una colina natural, murallas, fortalezas, terrazas, terraplenes, obras hidráulicas y anchas calzadas. Un conjunto de hallazgos que ha revolucionado la concepción que se tenía del mundo maya. Hasta ahora se creía que esa civilización había llegado a tener unos 5 millones de habitantes en la región en su época de máximo esplendor, hacia el siglo VII, pero ahora esa población se estima entre 10 y 15 millones de habitantes.

Ese levantamiento ha sido solo la primera fase de la Inicativa PACUNAM LiDAR, que planea explorar hasta 14 000 km² (casi la mitad del Petén) en  3 años. ¿Qué nuevos secretos esconde la jungla bajo su alfombra verde? El tiempo nos lo dirá.

Lo que es cierto es que el LiDAR está revolucionando la Arqueología, como el telescopio Hubble revolucionó la Astronomía. Y en los países mediterráneos, Portugal, España, Italia, Grecia, Turquía y otros, plagados de vestigios de civilizaciones antiguas, estamos seguros de que esa tecnología revelará muchos secretos que ahora permanecen olvidados bajo el manto del tiempo.

Para más información véanse este enlace y este otro

https://news.nationalgeographic.com/2018/02/maya-laser-lidar-guatemala-pacunam/
(Foto Wild Blue Media/National Geographic)

Publicado por el editor.

por editor (noreply@blogger.com) em February 15, 2018 04:00 AM

February 14, 2018

Blog IDEE (ES)

Audiencia pública del RD sobre accesibilidad de sitios web y app del Sector Público

http://www.minhafp.gob.es/es-ES/Normativa%20y%20doctrina/NormasEnTramitacion/Paginas/normasentramitacion.aspx
 https://administracionelectronica.gob.es/pae_Home/pae_Estrategias/pae_Accesibilidad/pae_Observatorio_de_Accesibilidad.html
El pasado 2 de diciembre de 2016 se publicó la Directiva (UE) 2016/2102 del Parlamento Europeo y del Consejo, de 26 de octubre, sobre la accesibilidad de los sitios web y aplicaciones para dispositivos móviles de los organismos del sector público de todos los niveles, nacional, regional y local, y ámbitos temáticos (universidades, centros sanitarios y educativos, bibliotecas, tribunales, etc.), que entró en vigor el 22 de diciembre de ese mismo año 2016.

Según establece la propia directiva, deberá estar transpuesta antes del 23 de septiembre de 2018 y ahora el Proyecto de Real Decreto que la traspone se encuentra en audiencia pública, disponible para que hagamos sugerencias y comentarios en la página habilitada para ello hasta el 27 de febrero.

Este Real Decreto sustituirá al RD 1494/2007  que establecía el cumplimiento de los requisitos de prioridad 1 y 2 de la norma UNE 139803:2012, lo que equivale al nivel AA en WCAG 2.0.

Como todos sabéis, la accesibilidad es una cuestión muy importante a la hora de implementar cualquier página web, máxime si es un geoportal de cartografía. Por un lado, resulta un reto especialmente difícil el hacer la información geográfica accesible; pero por otro, no siempre se tiene en cuenta, por ejemplo, en el diseño de la simbología que el 10 % de los varones tiene algún tipo de disfuncionalidad en la percepción del color.

En ese sentido, el texto del borrador actual excluye, entre otras cosas:
 
«Los servicios de mapas y cartografía en línea, siempre y cuando la información esencial se proporcione de manera accesible digitalmente en el caso de mapas destinados a fines de navegación».

Por otro lado, se mencionan los requisitos de accesibilidad de la norma EN 301549 V1.1.2 (2015-04), se introduce el concepto de carga desproporcionada debida a esos requisitos en determinados supuestos, se hace énfasis en la promoción, concienciación y formación, se establece un procedimiento para atender las quejas en un plazo de 20 días, la obligación de disponer de una unidad responsable de la accesibilidad y de publicar una declaración detallada y exhaustiva de accesibilidad, que deberán mantener periódicamente.

En cualquier caso, ésta es vuestra oportunidad para analizar el texto y hacer comentarios, teniendo en cuenta que es obligatorio ajustarse a lo que prescribe la Directiva. La dirección donde participar en la audiencia pública es ésta: Normas en tramitación.

Publicado por el editor.

por editor (noreply@blogger.com) em February 14, 2018 04:20 AM

February 13, 2018

Blog IDEE (ES)

Cómo añadir un WFS en OpenLayers 3 y darle simbología

https://mappinggis.com/2016/06/anadir-wfs-en-openlayers-simbologia/?utm_source=ReviveOldPost&utm_medium=social&utm_campaign=ReviveOldPost

Hemos visto en MAPPINGIS una entrada antigua, resucitada en twitter, sobre cómo añadir un Servicio Web de Features (WFS) de puntos a un visualizador OpenLayers 3 y cómo cambiar su simbología a gusto del consumidor. Muy útil e instructiva:


Aquí podeis ver el resultado:

https://mappinggis.com/2016/06/anadir-wfs-en-openlayers-simbologia/?utm_source=ReviveOldPost&utm_medium=social&utm_campaign=ReviveOldPost

Porque no sólo de WMS viven los visualizadores estándar. Si es que el que no interopera, es porque no quiere.

Publicado por el editor.

por editor (noreply@blogger.com) em February 13, 2018 05:50 AM

February 12, 2018

iDea Plus Geo (BR)

Aprendendo SIG com Game of Thrones (VIII): Calculadora de campos

A “calculadora de campos” é uma das ferramentas mais utilizadas pelos usuários de SIG na hora de editar os atributos de uma camada. O motivo é sua versatilidade e a economia de tempo que proporciona na hora de editar diferentes registros ao mesmo tempo.

Ela nos permite realizar diferentes tipos de cálculos sobre os campos de uma tabela. Esta ferramenta pode ser executada sobre todos os registros de uma tabela ou apenas naqueles que estejam selecionados.

Vejamos como funciona com alguns exercícios simples sobre nossos dados de Game of Thrones. Mas antes de começar vamos conhecer a sua interface.

figura08_01

  1. Informação. Proporciona informações sobre o “Campo” ou “Comandos” selecionados.
  2. Campo. Listagem de campos da Tabela. Com um duplo clique sobre um campo adicionamos a expressão a aplicar.
  3. Tipo. Em função do tipo selecionado é atualizada a lista de “Comandos” disponíveis.
  4. Comandos. Listagem de comandos disponíveis em função do “Tipo” selecionado. Com um duplo clique sobre um comando o mesmo é adicionado à expressão a aplicar.
  5. Expressão. Operação que será aplicada sobre o campo selecionado. A expressão pode ser escrita diretamente.

Vista a teoria, passaremos a realizar nosso exercício prático.

Em primeiro lugar abrimos a tabela de atributos da camada “Locations”, que deve conter 7 colunas, se efetuamos todos os exercícios propostos. Um dos campos existentes é “type” que contém os tipos de localização (city, castle, ruin, town, other).

figura08_02

Vamos imaginar que queremos adicionar uma nova coluna na qual vamos digitar o tipo de localização no idioma português. Poderíamos fazer isso manualmente, como vimos no exercício de “Edição de Tabelas”, mas graças à “Calculadora de campos” podemos fazer este exercício de forma muito mais rápida.

Seguindo os passos que aprendemos no exercício de “Edição de Tabelas”, colocamos a Tabela em edição e adicionamos uma coluna do tipo “String”, deixando o número de caracteres padrão (50). A essa nova coluna chamaremos “Tipo”. Poderíamos deixar o dado de “Valor padrão” vazio, mas para economizar tempo no preenchimento colocamos o valor “Outro” (sem as aspas). Deste modo todos os registros serão preenchidos de forma automática com este valor. Agora somente precisaremos atualizar os outros valores.

figura08_03

Neste momento a tabela ficaria assim:

figura08_04

Agora utilizaremos a ferramenta de “Seleção por atributos” para ir selecionando os diferentes valores do campo “Type”, e a calculadora de campos para preencher de forma automática as linhas selecionadas com o valor correspondente.

Chegando a este ponto, se não souber utilizar a ferramenta de “Seleção por atributos” revise o artigo em que explicamos seu funcionamento.

Vamos começar selecionando todas as linhas cujo “type” é “Castle”:

figura08_05

Depois de selecionadas, clicamos no cabeçalho do campo “Tipo” (será mostrada em uma cor cinza escura).

figura08_06

Executamos a ferramenta de “Calculadora de campos”, disponível no menu “Tabela/Calculadora de campos” ou em seu ícone correspondente.

figura08_07

Será aberta uma nova janela, onde poderemos escrever a expressão “Castelo” com a qual queremos que os campos sejam preenchidos. É importante lembrarmos que os textos devem ser digitados entre aspas duplas.

figura08_08

Ao clicarmos em “Aceitar” serão preenchidas as células do campo “Tipo” das linhas selecionadas:

figura08_09

Repetimos a mesma operação com o restante dos valores do campo “type”. Primeiro selecionamos as linhas e depois, com a calculadora de campos, preenchemos os dados:

  • Type “City” = Tipo “Cidade”
  • Type “Ruin” = Tipo “Ruina”
  • Type “ Town” = Tipo “Povoado”

Depois de terminarmos nossa tarefa, finalizamos a edição e salvamos as alterações. Nossa tabela ficará com o seguinte aspecto:

figura08_10

A “Calculadora de campos” é uma ferramenta muito potente e permite utilizar expressões complexas. Recomendamos que faça experiências com ela para descobrir todas as suas possibilidades. Até o próximo artigo!

por admin em February 12, 2018 11:27 PM

Anderson Medeiros [BR]

Comparação dos produtos de variáveis Geomorfométricas com uso do QGIS e ArcGIS

Produtos de variáveis Geomorfométricas com uso do QGIS e ArcGIS

Comparação de desempenho entre programas de Geoprocessamento sempre chama a atenção dos usuários de Geotecnologias. Neste artigo que estamos divulgando veja uma análise comparativa entre ArcGIS e SAGA GIS (emulado pelo QGIS) para produtos específicos.

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE ARCGIS E SAGA GIS

O título do artigo em questão é Análise comparativa dos produtos derivados das variáveis geomorfométricas dos algoritmos SAGA/GIS e ArcGIS.

O trabalho toma por base que algumas variáveis que derivam das bacias hidrográficas resultam de suas características fisiográficas como geomorfologia, geologia, pedologia, hidrologia, etc. Essas características possibilitam várias análises.

A metodologia teve por objetivo uma melhor compreensão de produtos derivados de algoritmos aplicáveis em modelagem geográfica. Os algoritmos empregados na pesquisa visam obter variáveis para uma análise morfomométrica da bacia hidrográfica de modo que apresentem um determinado nível de confiabilidade, diante da comparação dos resultados entre os algoritmos do SAGA GIS e do ArcGIS.

Análise comparativa dos produtos de variáveis Geomorfométricas com uso do QGIS e ArcGIS

Também se teve por meta nesse trabalho fazer uma comparação dos resultados obtidos em um software proprietário, no caso o ArcGIS® v.10.4.1, e um programa livre, no caso o QGIS v.2.8.9, de modo a demonstrar os desafios e facilidades dos mesmos para assim atingir aos usuários de ambos.

RESULTADOS DO COMPARATIVO

De acordo com os autores, os algoritmos testados atenderam de modo satisfatório o objetivo proposto, sendo que os modelos derivados preservaram a consistência hidrológica das informações.

ClickGeo: Cursos de Geotecnologias

Entretanto foram identificadas pequenas diferenças entre as variáveis analisadas, por exemplo: diferenças superestimada de 11,63% nos valores de área e subestimadas em 14,46% pelo algoritmo do ArcGIS e 2,69% pelo algoritmo do QGIS. O comprimento de alguns canais de drenagem também apresentaram
diferenças quando obtidos por níveis hierárquicos.

DOWNLOAD DO ARTIGO DE COMPARAÇÃO ENTRE QGIS E ARCGIS

Recomendo fortemente que você leia o artigo completo para ver os detalhes da metodologia utilizada e da discussão dos resultados.

Para acessar e baixar o PDF do artigo, clique no link abaixo:




Vale lembrar que este artigo foi publicado nos Anais do XVIII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto – SBSR, realizado em maio de 2017.

Aproveitamos para elogiar e parabenizar aos autores do trabalho: Vitor Hugo de Almeida Junior, Fernando Ragner Moreira Souza, Ricardo Vieira da Silva, Orion Maldaner Santos, Michele Monguilhott. Todos da Universidade Federal de Santa Maria/RS.

COMPARAÇÃO DE SOFTWARES DE GEOPROCESSAMENTO

Em nosso portal ao longo dos anos publicamos outros conteúdos sobre trabalhos que compararam desempenhos de diferentes programas usados em Geoprocessamento.

Confira nos links abaixo os principais deles:

O que achou desta nossa dica de leitura? Deixem seus comentários.

Cadastre-se Gratuitamente em nossa Lista VIP e receba nossas novidades por e-mail. Curta nossa página no Facebook [PortalClickGeo] e siga nosso Canal no Youtube para continuar atualizado sobre o Mundo das Geotecnologias

por Anderson Medeiros em February 12, 2018 04:50 PM

Blog do gvSIG (ES)

Asociación gvSIG participará en el ILoveFS 2018

ilovefs-banner-extralarge

Por tercer año consecutivo Datalab organiza en MediaLab Prado el IloveFS18, un espacio de demostración de cariño y amor al Software Libre, como no, el 13 y el 14 de febrero.

La Asociación gvSIG estará presente mostrando que el SIG libre puede utilizarse para casi cualquier ámbito de nuestra vida. Facilitaremos un taller de gvSIG básico aplicado a la labor periodística para que todo el mundo pueda aprender Geomática Libre de manera práctica y divertida.

La cita será de 18:45 a 20:30 el martes 13 y de 18:45 a 20:00 el miércoles 14 en las instalaciones de MediaLab Prado.

Por supuesto, el evento y los talleres son completamente gratuitos y sólo necesitáis registraros en la web habilitada para ello.

Podéis ver la información completa en http://medialab-prado.es/article/ilovefs18

Y podéis descargar la versión portable para vuestro sistema operativo en http://www.gvsig.com/es/productos/gvsig-desktop/descargas

 

por Alonso Morilla em February 12, 2018 12:09 PM

GIS applied to Municipality Management: Module 11 ‘Reprojecting vector layers’

The video of the eleventh module is now available, in which we will show how to reproject vector layers.

Sometimes municipalities need external geographic information to work, for example cartography published by another administration, such as regional or national. That cartography can be in a different system than technicians usually work on in the municipality. If we don’t take the reference systems into account, both cartographies would not be overlapped correctly.

The municipality technicians can also use old cartography, which is in an obsolete reference system, and they need to have it in an updated reference system. For this, it will be necessary to reproject that cartography.

In module 2 you can consult all the information related to the reference systems.

Apart from reprojecting from one reference system to another one, sometimes it will be necessary to apply a transformation to improve the reprojection. For example in the case of Spain, to reproject a layer available in ED50, the official reference system until a few years ago, to ETRS89, the official system currently, it is necessary to apply a transformation by grid, otherwise we would have a difference of about 7 meters between these layers.

The cartography to follow this video can be downloaded from this link.

Here you have the videotutorial of this new module:

Related posts:

por Mario em February 12, 2018 08:29 AM

Blog IDEE (ES)

Segunda ediciónde los Premios Pedro R. Muro Medrano

http://www.iaaa.es/2018/01/26/segunda-ed-premios-pedro-muro-tfe/
 
El Grupo de Sistemas de Información Avanzados y el Instituto de Investigación en Ingeniería de Aragón convocan la segunda edición de los Premios Pedro R. Muro Medrano para Trabajos de Fin de Estudios (TFE), que comprenden Trabajos Fin de Grado, Proyectos Fin de Carrera y Trabajos Fin de Máster) defendidos en cualquier universidad española entre el 1 de enero de 2017 y el 31 de diciembre de 2017.

El objetivo es fomentar la realización de trabajos de aplicación o investigación relacionados con tecnologías y estándares abiertos vinculados a las Infraestructuras de Datos Espaciales.

Para elegir el primer premio (500 euros) y un áccesit (300 euros), se tendrán en cuenta: 
  • La capacidad de la propuesta para transmitir con rigor, extensión y claridad los contenidos del TFE (máximo 30 puntos).
  • La calidad e innovación de los elementos que configuran la propuesta en sí mismos y su presentación (máximo 30 puntos).
  • La contribución del TFE al estado del arte y/o su posibilidad de implementación (máximo 40 puntos). 
Las candidaturas debe enviarse por correo electrónico a iaaa@unizar.es antes del 5 de marzo de 2018 a las 14:00. 
                   

 
Pedro R. Muro Medrano

Publicado por el editor.

por editor (noreply@blogger.com) em February 12, 2018 04:45 AM

iDea Plus Geo (BR)

Aprendendo SIG com Game of Thrones (VII): Adicionar coordenadas a uma tabela

Neste exercício vamos utilizar uma ferramenta muito simples mas muito útil. Permite adicionar de forma automática as coordenadas X e Y (ou Latitude/Longitude) de uma camada de pontos. Em nosso caso, com cartografia fictícia sobre o sistema de projeção EPSG 4326 (normalmente utilizado nos GPS), obteremos coordenadas que representam a latitude e a longitude.

A camada de pontos que temos é “Locations”, sobre a qual utilizaremos a ferramenta denominada “Adicionar X e Y”.

Em primeiro lugar ativamos a camada “Locations” e abrimos sua Tabela de atributos (como visto no exercício “Edição de Tabelas”).

Em seguida, executamos a ferramenta no menu “Tabela/Adicionar medição/Adicionar X e Y” ou através do seu ícone correspondente:

figura07_01

Observamos como, de forma automática, são adicionadas duas novas colunas na tabela de atributos, contendo os dados das coordenadas.

figura07_02

Agora já podemos enviar aos nossos dragões para as coordenadas exatas…

O próximo artigo is coming…

por admin em February 12, 2018 02:55 AM

January 31, 2018

Blog Geoprocessamento [BR]

Fernando Quadro (BR)

GeoUsage – Análise de serviços OGC

O GeoUsage é uma ferramenta gratuita e de código aberto desenvolvida por Tom Kralidis para dar suporte a caso de uso de métricas e análise do uso dos serviços OWS (OGC Web Services).

Você gostaria de saber quantos usuários estão acessando seus serviços? Quais as camadas e projeções são as mais populares? Qual largura de banda utilizada? Quantos o volume de downloads de dados?

Desenvolvido em Python, a GeoUsage não possui opiniões fortes além das análises específicas dos logs do servidor web onde se encontram os serviços OWS. O GeoUsage é “composable“, ou seja, a freqüência, o gerenciamento de logs e o armazenamento de resultados é totalmente voltado ao usuário. Dito isto, uma interface de linha de comando simples e bonita está disponível para visualizar os resultados.

Fonte: Tommy’s Scratchpad

por Fernando Quadro em January 31, 2018 10:30 AM

January 28, 2018

Geofumadas [HN]

Map.XL – Insertar mapa en Excel y obtener coordenadas

Map.XL es una aplicación que permite insertar un mapa dentro de Excel y obtener coordenadas directamente desde el mapa. Además puede también mostrar en el mapa un listado de latitudes y longitudes. Cómo insertar el mapa en Excel Una vez instalado el Programa, se agrega como una pestaña adicional denominada “Map”, con las funcionalidades de […]

por geofumadas em January 28, 2018 06:25 AM

January 27, 2018

Anderson Medeiros [BR]

Sorteio do Livro Mistura Espectral

Sorteio do Livro Mistura Espectral

Você sabia que este site que você está lendo completa 10 anos no ar em 30 de Janeiro de 2018? Para premiar nossos leitores por conta desta data decidimos fazer o sorteio de um livro técnico da área de Geotecnologias. Leia o regulamento e participe!

REGULAMENTO DO SORTEIO DO LIVRO

Para participar desta promoção é muito simples: Deixe um comentário aqui nesta postagem. Todos os comentários aprovados entrarão no sorteio que será realizado dia 06 de fevereiro de 2018.

Fique atento aos seguintes detalhes:

  • Para publicar o comentário é necessário fornecer seu nome e pelo menos um sobrenome, endereço de e-mail (que não será divulgado) – Não comente usando perfil de Facebook, pois não será aceito;
  • Comentários submetidos que não atendam a todos os critérios citados no item acima serão excluídos e seus autores não participarão da promoção.
  • Os comentários poderão ser submetidos até o fim da segunda-feira, 05 de fevereiro (horário de Brasília);
  • O livro será enviado ao vencedor da promoção gratuitamente, apenas se este residir no Brasil;
  • O sorteado será informado por e-mail e terá 24 horas para responder a mensagem fornecendo os dados para envio do livro;
  • Caso o sorteado não responda ao e-mail dentro do prazo acima citado será feito um novo sorteio;
  • Em caso de dúvidas sobre este regulamento, entre em contato;
  • Qualquer caso de dúvida ou discordância não considerado nos pontos aqui listados será decidido pelo autor do site, de forma indiscutível.

SOBRE O PRÊMIO: LIVRO MISTURA ESPECTRAL

O livro que será sorteado tem o título Mistura espectral, dos autores Yosio Edemir Shimabukuro e Flávio Jorge Ponzoni e publicado pela editora Oficina de Textos.

Sorteio do Livro Mistura Espectral

Conforme explicado no site da editora: “O livro explica de forma didática os conceitos básicos de mistura espectral, números digitais e sensores orbitais, para em seguida apresentar a técnica de modelo linear de mistura espectral e a geração de imagens-fração”.

Além de fornecer uma sólida base teórica, a obra apresenta importantes exemplos de aplicação prática, como em projetos de estimativa e monitoramento de áreas de desmatamento e queimada na Amazônia Legal.

Semana que vem publicaremos uma matéria falando sobre os 10 anos de nosso site. Mas desde já queremos agradecer por você conhecer nosso trabalho.

Cadastre-se Gratuitamente em nossa Lista VIP e receba nossas novidades por e-mail. Curta nossa página no Facebook [PortalClickGeo] e siga nosso Canal no Youtube para continuar atualizado sobre o Mundo das Geotecnologias

por Anderson Medeiros em January 27, 2018 04:31 AM

January 26, 2018

Geofumadas [HN]

Bentley Systems amplía las ofertas de diseño y documentación sobre edificaciones de concreto mediante la adquisición de S-Cube Futuretech

Nuevas capacidades avanzadas de análisis de hormigón estructural, diseño y soluciones de documentación Bentley Systems, Incorporated anunció hoy la adquisición del software de documentación y diseño de construcción de concreto basado en Mumbai de la empresa S-Cube Futuretech Pvt. Ltd. La adición de las aplicaciones de S-Cube Futuretech amplía las ofertas específicas de Bentley con […]

por geofumadas em January 26, 2018 04:31 AM

January 24, 2018

Anderson Medeiros [BR]

Como Instalar o AutoCAD Civil 3D com Licença Gratuita por 3 Anos

Instalando AutoCAD Civil 3D com Licença Grátis por 3 anos!

Você usa o AutoCAD em seus projetos? Sabia que é possível conseguir uma licença gratuita de uso do AutoCAD Civil por 3 anos? Veja neste conteúdo como fazer isso de maneira bem simples e de forma totalmente legal.

INSTALANDO O AUTOCAD GRATUITAMENTE

É bom enfatizar que somos totalmente contra a pirataria. Aqui estamos divulgando um procedimento legal que é oferecido pela empresa Autodesk

Este conteúdo foi preparado por Ana Silveira, estudante de Geologia e projetista que trabalha desde 2010 com as plataformas CAD e SIG. Atualmente residente em Belo Horizonte/MG.

Desde já recomendo que inscrevam-se no Canal Ana Silveira – Tutoriais CAD e GIS no Youtube.

No vídeo a seguir você vê o passo a passo de como se registrar no site da Autodesk. Caso não esteja visualizando o vídeo, clique aqui para ver direto no Youtube.

Para adiantar o processo para você, clicando no link abaixo você vai direto para a página apresentada aos 35 segundos do vídeo:




Site da Autodesk: Como Instalar o AutoCAD Civil 3D com Licença Gratuita por 3 Anos

O que acharam desta dica? Mais uma vez sugiro que vocês acompanhem o canal da Ana, pois ela vai publicar várias dicas sobre uso do AutoCAD e de outras ferramentas úteis para nossa área.

Deixem seus comentários, inclusive com sugestões de conteúdo para novos materiais que atendam suas demandas.

Aproveite e veja também as seguintes dicas relacionadas com CAD e que já publicamos em nosso portal:

Esperamos ter outras parcerias junto com a Ana Silveira aqui em nosso site.

Cadastre-se Gratuitamente em nossa Lista VIP e receba nossas novidades por e-mail. Curta nossa página no Facebook [PortalClickGeo] e siga nosso Canal no Youtube para continuar atualizado sobre o Mundo das Geotecnologias

por Anderson Medeiros em January 24, 2018 02:31 PM

January 23, 2018

Fernando Quadro (BR)

Histórias sobre o impacto do Open Data no Reino Unido

Em 2010, o ano em que o Reino Unido lançou seu portal de dados aberto, um relatório da Iniciativa de Transparência e Responsabilidade destacou a promessa e o potencial dos dados abertos para melhorar os serviços e criar crescimento econômico.

Nos cinco anos seguintes, o progresso do Reino Unido na abertura de seus dados tem sido pioneiro e rápido, mas não sem desafios e questões sobre impacto. É este sucesso qualificado que os levou a comissionar este relatório em um esforço para entender se a promessa e o potencial de dados abertos estão sendo realizados.

O autor do relatório, Becky Hogge, descobre que os dados abertos tiveram impacto catalítico e significativo e que o tempo provavelmente revelará ainda mais valor. Ela também sinaliza desafios e obstáculos críticos, incluindo conjuntos de dados fechados, dados valiosos que não estão sendo coletados e considerações importantes de privacidade.

A Omidyar Network defendeu os dados abertos como um ingrediente chave para uma governança mais efetiva, eficiente e justa e uma cidadania mais capacitada e comprometida. Este relatório revitaliza o compromisso com este espaço e admiração pelas organizações que estão trabalhando diariamente para maximizar o valor dos dados abertos.

Baixe o relatório completo aqui.

Fonte: Open Data Charter

por Fernando Quadro em January 23, 2018 10:30 AM

January 22, 2018

Fernando Quadro (BR)

Redes neurais e Ordenamento territorial

Foi publicado recentemente pelo meu amigo Luis Sadeck, do blog Geotecnologias, sua dissertação de mestrado que trata do assunto Redes neurais e ordenamento territorial.

O assunto é muito interessante, e recomendo a leitura da dissertação a todos que tem algum envolvimento ou até mesmo curiosidade sobre o assunto, pois o Sadeck é refencia quando se fala em geoprocessamento nesse país.

Gostaria de aproveitar e parabenizá-lo pelo grande trabalho.

por Fernando Quadro em January 22, 2018 10:30 AM

January 19, 2018

Fernando Quadro (BR)

Testando softwares para Big Data Spatial – Parte 5

Este é o último post desta série intitulado “Testando softwares para Big Data Spatial”. Para concluir este artigo, vamos fala um pouco sobre a disponibilização das informações através de uma aplicação WebMap, que foi desenvolvida utilizando o Leaflet, mas poderia ter sido utilizada qualquer outra biblioteca para desenvolvimento de mapas na Web, como o OpenLayers, por exemplo.

1. Web Mapping com Leaflet

Este visualizador pode desenhar o mapa em dois estilos, desenhando um Heatmap (mapa de calor) ou desenhando uma camada temática. Ele faz todas as observações ou medidas de uma data única, e até mesmo entre todas as datas disponíveis (Clique na imagem para ver o vídeo).

Além disso, podemos verificar o desempenho com este visualizador, ele mistura o filtro espacial e temporal em uma consulta exclusiva.

A opção mais fácil, e talvez ideal, teria sido a aplicação do cliente executando solicitações WMS GetMap, mas vou executar solicitações ao GeoServer para buscar as geometrias para desenhá-las no cliente. Poderíamos usar os pedidos WFS GetFeature com os limites atuais do mapa (Ele gera um filtro BBOX espacial) e um filtro propertyIsEqual de uma data específica. Mas não devemos esquecer que estamos gerenciando grandes stores de dados que podem criar respostas GML ou JSON com grandes tamanhos e milhares e milhares de registros.

Para evitar esse problema, foi desenvolvido um par de processos WPS, chamado “geowave: PackageFeatureLayer” e “geowave:PackageFeatureCollection”, que retornam a resposta em um fluxo binário compactado. Você poderia usar outra lógica de empacotamento, por exemplo, retornando uma imagem especial onde pixels codificam geometrias e atributos de recursos. Tudo é para minimizar o tamanho da informação e acelerar a digestão dela na aplicação cliente.

Os parâmetros do WPS são: primeiro, o nome da camada no catálogo GeoServer atual (A “SimpleFeatureCollection” para o processo geowave:PackageFeatureCollection”), BBOX e um filtro CQL opcional (neste caso, estou enviando algo semelhante ao “datetime_begin = 2017-06 -01 12:00:00”).

Não vou explicar o código em detalhes, deixa o escopo deste guia. Se você quiser, você pode estudá-lo no link do github no final do artigo.

O aplicativo cliente executa um WebWorker executando uma solicitação WPS para nossa instância do GeoServer. O pedido executa o processo “geowave:PackageFeatureLayer” para minimizar o tamanho da resposta. Em seguida, o WebWorker descompacta o fluxo binário, analisa-o para criar objetos javascript com pontos e atributos e, finalmente, devolvê-los ao segmento principal do navegador para desenhar. O aplicativo cliente processa esses objetos usando a biblioteca Heatmap.js ou desenhando em um Canvas HTML5 para criar uma camada temática. Para este segundo estilo, o aplicativo cria algumas texturas on-the-fly dos ícones coloridos para usar ao desenhar os pontos. Este truque permite que mapas mostrem milhares e milhares de pontos de forma bastante rápida.

Se nosso aplicativo cliente exigir desenhar milhões de pontos, podemos mergulhar no WebGL e na ótima biblioteca do WebGL Heatmap ou demonstrações fantásticas de como construir um mapa com WebGL.

O código-fonte do módulo WPS e o aplicativo cliente estão disponíveis aqui. Espero que tenha gostado do artigo, e tenha consigo entender um pouco de como utilizar grandes volumes de dados (Big Data) com inteligência geográfica (GIS).

Este artigo e suas demais partes (1, 2, 3, 4) é uma tradução livre do artigo originalmente escrito por Alvaro Huarte no seu perfil do LinkedIn.

por Fernando Quadro em January 19, 2018 10:30 AM

January 18, 2018

ViaSIG

LXD o virtualizador ubuntu

Este post é sobre o LXD, uma forma de criar “máquinas virtuais” que residem em directorias na nossa máquina, sem mais intermediários (hypervisors). Para quem usa docker podem ver mais info sobre o projecto e como se comparam os 2: https://www.ubuntu.com/containers/lxd.

Fica já a nota que o docker e o lxd são concorrentes, mas talvez sejam mais complementares. O docker isola componentes, o lxd isola sistemas operativos. Terão por isso vantagens e desvantagens muitas vezes simétricas. E ambos são similares na tecnologia de base que usam (lxc e chroot + cgroups). Basicamente, usam capacidades do kernel linux para isolar componentes (é por isso que só podemos “virtualizar” componentes linux e não windows ou mac). Na verdade, e para ser tecnicamente menos incorrecto, não se criam máquinas virtuais, mas sim containers. Mas para simplicidade, no resto do texto quando falo de containers ou VM’s é tudo o mesmo… containers.

Aquilo que me entusiasma no LXD é a simplicidade de uso, com muito poucos  comandos, e a facilidade de gerir sistemas que integram vários componentes, como geralmente acontece numa plataforma SIG (qgis, postgresql, geoserver, etc.). Como o LXD virtualiza um SO inteiro, é natural e fácil usá-lo para conter sistemas aplicacionais inteiros.

As máquinas LXD podem ser criadas em directorias no nosso servidor Ubuntu, e podem conter diversos sistemas operativos. E é muito fácil clonar, fazer snapshots, parar e iniciar estes contentores de SO. Já cópias de segurança obrigam a alguma ginástica, mas estão a trabalhar num método simplificado.

Também é fácil limitar os recursos usados por cada VM, quer na memória máxima, quer no processador (cores, % de tempo, etc.), e vários outros recursos. Podem ver info completa aqui: https://stgraber.org/2016/03/26/lxd-2-0-resource-control-412/.

A existência do LXD vem baixar a complexidade da virtualização baseada em containers, deixando de usar hypervisors como o KVM, OpenVZ, VMWare, VirtualBox, e HyperV.

Podemos instalar o Ubuntu directamente na máquina física, e criar VM’s usando comandos LXD. Os seus defensores indicam ganhos de desempenho, ou mais correctamente menos perda de desempenho, e por isso potencial maior densidade de VM’s. Não posso confirmar nem desmentir porque não testei nada disto. Mas parece-me algo lógico.

Só mais um detalhe – o LXD suporta nested virtualization, ou seja, dentro de uma VM Ubuntu podemos usá-lo para criar VM’s, que estão dentro da nossa VM inicial… confuso? Cuidado, que o OpenVZ não suporta lxd… portanto ao comprarem uma VPS assegurem-se que é baseada em KVM.

Nested Virtualization… whaaat?

Instalar o LXD

Instalar o LXD é muito simples – já vem incluído no Ubuntu.

É preciso no entanto iniciá-lo uma primeira vez e definir a sua configuração, que principalmente define o tipo storage usado pelas máquinas a criar (baseadas em directorias ou pools zfs), e a configuração da rede que dirá se as VM’s são acessíveis do exterior, e se poderão comunicar entre si.

O tutorial que usei como base foi este da Digital Ocean: https://www.digitalocean.com/community/tutorials/how-to-set-up-and-use-lxd-on-ubuntu-16-04.

A diferença é que escolhi usar directorias para mais simplicidade, em vez de ZFS. Embora ZFS seja a opção recomendada pela Canonical, fabricante do Ubuntu, envolve uma complexidade que seria contraproducente para mim – o objectivo é ter simplicidade máxima e o menor número de pontos de falha. Mais info aqui: https://insights.ubuntu.com/2016/02/16/zfs-is-the-fs-for-containers-in-ubuntu-16-04/.

Então, a sessão de configuração do lxd foi assim (o meu user é dncpax e as respostas estão a negrito):

$ sudo usermod --append --groups lxd dncpax
$ sudo lxd init
Do you want to configure a new storage pool (yes/no) [default=yes]? y
Name of the storage backend to use (dir or zfs) [default=dir]: dir
Would you like LXD to be available over the network (yes/no) [default=no]? no
Do you want to configure the LXD bridge (yes/no) [default=yes]? yes

Como se vê escolhi sempre os defaults.

Neste ponto, o lxd lança um wizard de configuração da rede em modo texto (podemos usar num terminal). Se respondermos sempre com defaults, vamos ter no final uma rede interna gerida pelo LXD, do tipo 10.0.0.X.

Desta forma, as VM’s poderão contactar a máquina “mãe” e outras VM’s, e também a Internet. Mas não receberão tráfego exterior, ou seja, ninguém conseguirá aceder às nossas VM’s.

(Para permitir o acesso do “exterior” às nossas VM’s LXD vamos ter de usar algum tipo de router/firewall (IPTables) ou reverse proxy (NGinx ou HAProxy). Eu escolhi usar o HAProxy, que veremos noutro artigo.)

Durante o wizard, vai ser configurada uma rede IPv4, e opcionalmente uma rede IPv6. Eu usei sempre os defaults, mas não configurei a rede IPv6:

wizard do lxd para configurar a redewizard do lxd para configurar a rede IPv6

A minha rede foi configurada como 10.70.99.X, e assim todas as VM’s terão um IP deste tipo.

Utilizar LXD

A partir daqui temos os comandos do lxd ao dispor. Parte são baseados em lxc e outros em lxd. (lxc é o componente de base do lxd.)

Por exemplo, ver as VM’s criadas (não há ainda) – lxc list:

$ lxc list
+------+--------+------+------+------+-----------+
| NOME | ESTADO | IPV4 | IPV6 | TIPO | SNAPSHOTS |
+------+--------+------+------+------+-----------

Nota: se tiverem um erro de permissão negada, é porque o vosso novo grupo lxd não está ainda “activo”. Podem fechar a sessão e abrir uma nova com o mesmo login e continuar o trabalho, ou executarem “newgrp lxd”.

Ver a configuração do lxd – lxc info:

$ lxc info
config: {}
api_extensions:
- id_map
- id_map_base
- resource_limits
api_status: stable
api_version: "1.0"
auth: trusted
auth_methods: []
public: false
environment:
  addresses: []
  architectures:
  - x86_64
  - i686
  certificate: |
    -----BEGIN CERTIFICATE-----
    MIIFWzCCA0OgAwIVK3ESSSDQAIgte5p8cNcFQHJo0byAjiQD2YkT/sXr+3mf5U
    bla bla bla bla
    hTuelEv1+SWzBsN2nDbF7ZUDhw4cioBS59fkWidNrg==
    -----END CERTIFICATE-----
  certificate_fingerprint: 85ab3c61 bla 6d2bae
  driver: lxc
  driver_version: 2.0.8
  kernel: Linux
  kernel_architecture: x86_64
  kernel_version: 4.4.0-109-generic
  server: lxd
  server_pid: 3276
  server_version: 2.0.11
  storage: dir
  storage_version: ""

Então o que temos por agora? Um deamon lxd que coordenará a existência e o isolamento das VM’s a criar. Podemos ver o seu estado actual com systemctl (notem a memória ocupada):

systemctl status lxd
● lxd.service - LXD - main daemon
   Loaded: loaded (/lib/systemd/system/lxd.service; indirect; vendor preset: ena
   Active: active (running) since Qui 2018-01-18 21:35:36 WET; 14min ago
     Docs: man:lxd(1)
  Process: 3315 ExecStartPost=/usr/bin/lxd waitready --timeout=600 (code=exited,
  Process: 3277 ExecStartPost=/usr/lib/lxd/profile-config (code=exited, status=0
  Process: 3265 ExecStartPre=/usr/lib/x86_64-linux-gnu/lxc/lxc-apparmor-load (co
 Main PID: 3276 (lxd)
    Tasks: 9
   Memory: 7.5M
      CPU: 438ms
   CGroup: /system.slice/lxd.service
           └─3276 /usr/bin/lxd --group lxd --logfile=/var/log/lxd/lxd.log

Jan 18 21:35:35 ubuntumin systemd[1]: Starting LXD - main daemon...
Jan 18 21:35:36 ubuntumin lxd[3276]: lvl=warn msg="CGroup memory swap accounting
Jan 18 21:35:36 ubuntumin systemd[1]: Started LXD - main daemon.

Criar e gerir VM’s

Trabalhar com VM’s ou containers LXD é muito fácil, e basicamente limita-se a estes passos:

  1. Criar o container com o OS escolhido
  2. Aceder ao container na nossa shell ou por ssh
  3. Configurar alguns limites se quisermos (de memória p.e.)
  4. Parar ou reiniciar um container
  5. Ver os detalhes de um container, incluindo memória ocupada

A melhor página que conheço sobre gestão de containers LXD é esta: https://insights.ubuntu.com/2016/03/22/lxd-2-0-your-first-lxd-container/

Então para criar uma VM de Ubuntu dentro do nosso Ubuntu ;) usamos o comando lxc launch. O sistema operativo que queremos usar pode ser escolhido de uma lista já extensa que pode ser consultada aqui: https://us.images.linuxcontainers.org/.

Antes de instalar uma máquina novinha vamos antes ver como temos a memória:

$ free -m
              total        used        free      shared  buff/cache   available
Mem:           2000          47        1501           3         451        1795

Como se vê, estamos só com 47MB usados e 451MB em cache.

Para instalar a nova vm chamada “wordpress1″ (como é a 1ª vez, a imagem é descarregada do repositório online):

$ lxc launch ubuntu:16.04 wordpress1
A criar wordpress1
A iniciar wordpress1

E pronto. Temos um novo ubuntu fresquinho. Podemos ver na lista de containers com lxc list:

$ lxc list
+------------+---------+---------------------+------+-------------+-----------+
|    NOME    | ESTADO  |        IPV4         | IPV6 |    TIPO     | SNAPSHOTS |
+------------+---------+---------------------+------+-------------+-----------+
| wordpress1 | RUNNING | 10.70.99.165 (eth0) |      | PERSISTENTE | 0         |
+------------+---------+---------------------+------+-------------+-----------+

Podemos ver a lista dos containers, se estão iniciados, e os endereços IP internos.

Para vermos a configuração de um container, incluíndo a memória usada:

$ lxc info wordpress1
Nome: wordpress1
Remote: unix://
Arquitetura: x86_64
Criado: 2018/01/18 22:20 UTC
Estado: Running
Tipo: persistente
Perfis: default
Pid: 4426
Ips:
  eth0: inet    10.70.99.165    vethWJS19I
  eth0: inet6   fe80::216:3eff:fef3:793c        vethWJS19I
  lo:   inet    127.0.0.1
  lo:   inet6   ::1
Recursos:
  Processos: 27
  Memory usage:
    Memória (atual): 31.77MB
    Memória (máxima): 152.54MB
  Network usage:
    lo:
      Bytes recebidos: 0B
      Bytes enviados: 0B
      Pacotes recebidos: 0
      Pacotes enviados: 0
    eth0:
      Bytes recebidos: 195.18kB
      Bytes enviados: 7.45kB
      Pacotes recebidos: 138
      Pacotes enviados: 90

Até agora a memória ocupada variou entre 31 e 157 MB…

Para aceder podemos usar ssh ou um comando do lxc (exec):

$ lxc exec wordpress1 -- sudo --login --user ubuntu
To run a command as administrator (user "root"), use "sudo <command>".
See "man sudo_root" for details.

ubuntu@wordpress1:~

Estamos agora “dentro” da nova máquina wordpress1, com o login ubuntu… podemos ver os seus processos de forma isolada, sem acesso à máquina mãe:

$ ps aux
USER       PID %CPU %MEM    VSZ   RSS TTY      STAT START   TIME COMMAND
root         1  0.0  0.2  37596  5616 ?        Ss   22:20   0:00 /sbin/init
root        55  0.0  0.1  41724  3284 ?        Ss   22:20   0:00 /lib/systemd/sy
root        57  0.0  0.1  35280  3228 ?        Ss   22:20   0:00 /lib/systemd/sy
root       232  0.0  0.0  16000   856 ?        Ss   22:20   0:00 /sbin/dhclient
daemon     318  0.0  0.1  26048  2164 ?        Ss   22:20   0:00 /usr/sbin/atd -
syslog     324  0.0  0.1 186904  3288 ?        Ssl  22:20   0:00 /usr/sbin/rsysl
root       326  0.0  0.0  20104  1208 ?        Ss   22:20   0:00 /lib/systemd/sy
root       327  0.0  0.2 272872  5960 ?        Ssl  22:20   0:00 /usr/lib/accoun
root       328  0.0  0.2  65524  5476 ?        Ss   22:20   0:00 /usr/sbin/sshd
message+   329  0.0  0.1  42896  3828 ?        Ss   22:20   0:00 /usr/bin/dbus-d
root       341  0.0  0.1  26072  2528 ?        Ss   22:20   0:00 /usr/sbin/cron
root       342  0.0  1.2 158844 26576 ?        Ssl  22:20   0:00 /usr/lib/snapd/
root       350  0.0  0.4 277184  8260 ?        Ssl  22:20   0:00 /usr/lib/policy
root       378  0.0  0.0  12848  1784 ?        Ss+  22:20   0:00 /sbin/agetty --
root       441  0.0  0.1  59508  4032 ?        Ss   22:25   0:00 sudo --login --
ubuntu     442  0.0  0.2  23012  5064 ?        S    22:25   0:00 -bash
ubuntu     459  0.0  0.1  37764  3276 ?        R+   22:26   0:00 ps aux

A partir daqui podemos instalar o que quisermos da forma habitual. Podemos aceder ao exterior, mas não o inverso – do exterior aceder ao nosso container. E isso será para resolver noutro post.

Por agora, deixem-me terminar com um pequeno teste de desempenho. Uso sempre o 7zip para testes rápidos de cpu. Portanto vamos instalar o 7zip no container testar o cpu com só 1 thread, e depois fazer o mesmo na máquina mãe, para vermos neste caso a quebra de rendimento.

$ sudo apt-get update
Hit:1 http://archive.ubuntu.com/ubuntu xenial InRelease
bla bla
Fetched 24.6 MB in 10s (2276 kB/s)
Reading package lists... Done
$ sudo apt-get install 7zip-full
bla bla
Setting up p7zip-full (9.20.1~dfsg.1-4.2) ...
$ 7z b -mmt1

7-Zip [64] 9.20  Copyright (c) 1999-2010 Igor Pavlov  2010-11-18
p7zip Version 9.20 (locale=C.UTF-8,Utf16=on,HugeFiles=on,2 CPUs)

RAM size:    2000 MB,  # CPU hardware threads:   2
RAM usage:    419 MB,  # Benchmark threads:      1

Dict        Compressing          |        Decompressing
      Speed Usage    R/U Rating  |    Speed Usage    R/U Rating
       KB/s     %   MIPS   MIPS  |     KB/s     %   MIPS   MIPS

22:    3917   100   3811   3810  |    41983   100   3791   3790
23:    3735   100   3806   3806  |    39076   100   3578   3577
24:    3337   100   3589   3588  |    39359   100   3652   3652
25:    3339   100   3812   3812  |    39856   100   3748   3748
----------------------------------------------------------------
Avr:          100   3755   3754               100   3692   3692
Tot:          100   3723   3723

Portanto, dentro do container temos um total de 3723 MIPS de compressão. Vamos sair do container e fazer o mesmo exercício:

ubuntu@wordpress1:~$ exit
logout
dncpax@ubuntumin:~$
dncpax@ubuntumin:~$ 7z b -mmt1

7-Zip [64] 9.20  Copyright (c) 1999-2010 Igor Pavlov  2010-11-18
p7zip Version 9.20 (locale=pt_PT.UTF-8,Utf16=on,HugeFiles=on,2 CPUs)

RAM size:    2000 MB,  # CPU hardware threads:   2
RAM usage:    419 MB,  # Benchmark threads:      1

Dict        Compressing          |        Decompressing
      Speed Usage    R/U Rating  |    Speed Usage    R/U Rating
       KB/s     %   MIPS   MIPS  |     KB/s     %   MIPS   MIPS

22:    3815   100   3712   3711  |    41670   100   3762   3762
23:    3696   100   3767   3766  |    41115   100   3765   3764
24:    3557   100   3825   3825  |    40444   100   3753   3753
25:    3408   100   3891   3891  |    40016   100   3764   3763
----------------------------------------------------------------
Avr:          100   3799   3798               100   3761   3761
Tot:          100   3780   3779

Temos então na máquina LXD 3780 MIPS de compressão.

Ou seja, 3723/3780 = 98% de desempenho no container! Sim, é um teste simplista, e não representa uma avaliação real, mas é óptimo indicador.

E pronto, acabo por aqui. O próximo post da série será dedicado a coisas mais sérias, como ter várias máquinas LXD a comunicar com o exterior, e ver como limitar os recursos usados por uma delas. Até breve.

por duarte em January 18, 2018 10:54 PM

Fernando Quadro (BR)

Testando softwares para Big Data Spatial – Parte 4

Neste post iremos falar um pouco sobre o GeoServer e sua integração com o GeoWave. Apesar de quem acompanha o Blog já conhecer bastante o GeoServer, farei um breve descritivo.

1. GeoServer

O GeoServer é um servidor de código aberto para compartilhar dados geoespaciais. Projetado para interoperabilidade, ele publica dados de qualquer fonte de dados espaciais usando padrões abertos. O GeoServer é uma implementação compatível com o Consórcio Geoespacial Aberto (OGC) de uma série de padrões abertos, tais como WFS (Web Feature Service), WMS (Web Map Service) e Web Coverage Service (WCS).

Formatos adicionais e opções de publicação estão disponíveis, incluindo Web Map Tile Service (WMTS) e extensões para Service Catalog (CSW) e Web Processing Service (WPS).

Usamos o GeoServer para ler Layers carregados com o GeoWave, o plugin que acabamos de adicionar ao nosso GeoServer nos permitirá nos conectar a esses dados. Podemos usá-lo como qualquer outro tipo de Layer! 🙂

Para configurar o acesso a store de dados distribuídos, podemos usar duas opções:

– Usando o painel de administração do GeoServer como de costume:

– Usando o comando “gs” do GeoWave para registrar as stores e camadas em uma instância do GeoServer.

Como estamos testando coisas, vamos usar a segunda opção. O primeiro passo requer indicar ao GeoWave a instância do GeoServer que queremos configurar.

> %geowave% config geoserver 
  -ws geowave -u admin -p geoserver http://localhost:8080/geoserver

Semelhante ao que faríamos na interface administrativa do GeoServer, nós executamos dois comandos para adicionar, respectivamente, o Store e o Layer desejado.

> %geowave% gs addds -ds geowave_eea -ws geowave eea-store
> %geowave% gs addfl -ds geowave_eea -ws geowave NO2-measures

Como você pode notar, o sistema de referência espacial da camada é o EPSG:4326. Se visualizarmos o mapa com o cliente OpenLayers do GeoServer…

A performance é quety decent (Clique na imagem acima para ver o vídeo), tendo em conta que estou executando um PC “não muito poderoso”, com o Hadoop trabalhando em “modo único” e desenhando todas as medições de NO2 de todos as datas disponíveis (~ 5 milhões de registros). O índice espacial funciona direito, como o zoom inferior como resposta mais rápida. Além disso, se nós executamos um filtro WFS com um critério temporal, verificamos que o índice temporal executa corretamente, porém o GeoServer não verifica todos os registros da camada.

O guia do usuário do GeoWave nos fala sobre um estilo especial chamado “subsamplepoints” (Ele usa um processo WPS chamado “geowave:Subsample” e que o plugin GeoWave implementa). Ao desenhar um mapa, esse estilo realiza subamostras espaciais para acelerar o processo de renderização. Com ele é verificado um ótimo ganho de desempenho, eu recomendo que você utilize ele para camadas do tipo ponto.

Testei também para carregar uma camada de tipo de polígono de um Shapefile, sem problemas, as requisições WMS GetMap e WFS GetFeature foram bem executadas. Apenas uma nota, a ferramenta de carregamento GeoWave transforma automaticamente geometrias do sistema de referência espacial original ( EPSG:25830 no meu caso) para EPSG:4326 em coordenadas geográficas.

Neste ponto, verificamos que tudo se encaixa, podemos parar por aqui, já que a exploração desses dados já pode ser feita com bibliotecas de Mapeamento Web ( Leaflet, OpenLayers, i3Geo… ) ou quaisquer aplicativo de desktop GIS (QGIS, gvSIG, etc…).

Você gostaria de continuar? Então não perca a última parte deste artigo, onde falaremos sobre WebMaps.

por Fernando Quadro em January 18, 2018 10:30 AM

January 17, 2018

Fernando Quadro (BR)

Testando softwares para Big Data Spatial – Parte 3

Prezados leitores, hoje daremos continuidade ao post anterior falando um pouco sobre o GeoWave.

1. LocationTech GeoWave

O GeoWave é uma biblioteca que conecta a escalabilidade de estruturas de computação distribuídas de key-value stores (Hadoop + HBase neste caso) com software geoespacial para armazenar, recuperar e analisar conjuntos de dados geoespaciais maciços. Essa é uma ótima ferramenta 🙂

Falando do ponto de vista do desenvolvedor, esta biblioteca implementa um provedor de dados vetoriais do kit de ferramentas GeoTools para ler recursos (geometria e atributos) de um ambiente distribuído. Quando adicionamos o plugin correspondente ao GeoServer, o usuário verá novas stores para configurar novos tipos de conjuntos de dados distribuídos suportados.

Hoje em dia, o GeoWave suporta três tipos de armazenamento de dados distribuídos; Apache Accumulo, Google BigTable e HBase, usaremos o último deles.

Deixemos o GeoServer para mais tarde. De acordo com os guias de usuários e desenvolvedores do GeoWave, temos que definir índices primários e secundários que as camadas devem usar, então podemos carregar informações para o nosso local de armazenamento de dados.

Conforme consta no guia do desenvolvedor, vamos construir com o Maven o kit de ferramentas GeoWave para salvar dados geográficos no HBase:

> mvn package -P geowave-tools-singlejar

E incluir o plugin no GeoServer:

> mvn package -P geotools-container-singlejar

Defini minha própria variável de ambiente com um comando para executar os processos GeoWave o mais confortável possível:

> set GEOWAVE=
  java -cp "%GEOWAVE_HOME%/geowave-deploy-0.9.6-SNAPSHOT-tools.jar" 
  mil.nga.giat.geowave.core.cli.GeoWaveMain

Agora, podemos executar facilmente comandos digitando % geowave% […]. Verificamos a versão GeoWave:

> %geowave% --version

Ok, vamos registrar os índices espaciais e temporais necessários da nossa camada. O aplicativo cliente irá filtrar dados usando um filtro espacial (BBOX) e um filtro temporal para buscar apenas medições de NO2 de uma data específica.

Agora, registre ambos os índices:

> %geowave% config addindex 
  -t spatial eea-spindex --partitionStrategy ROUND_ROBIN

> %geowave% config addindex 
  -t spatial_temporal eea-hrindex --partitionStrategy ROUND_ROBIN 
  --period HOUR

E adicione uma “loja”, na terminologia do GeoWave, para nossa nova camada:

> %geowave% config addstore eea-store 
  --gwNamespace geowave.eea -t hbase --zookeeper localhost:2222

Aviso, no último comando, 2222 é o número da porta onde foi publicado o Zookeeper.

Agora, podemos carregar os dados. Nossa entrada são arquivos CSV, então eu usarei a opção “-f geotools-vector” para indicar que o GeoTools inspeciona o provider de vetores que deve usar para ler os dados. Existem outros formatos suportados e, claro, podemos desenvolver um novo provider para ler nossos próprios tipos de dados específicos.

Para carregar um arquivo CSV, faça:

> %geowave% ingest localtogw 
  -f geotools-vector 
  ./mydatapath/eea/NO2-measures.csv eea-store eea-spindex,eea-hrindex

Ok, dados carregados, até agora sem problemas, certo? Porém, a GeoTools CSVDataStore tem algumas limitações ao ler arquivos. O código atual não suporta atributos de data/hora (nem atributos booleanos). O código gera todos eles como strings (texto). Isso é inaceitável para nossos próprios requisitos, a data da medição deve ser um atributo preciso para o índice, então foi alterado no código java original. Além disso, para calcular o tipo de valor apropriado de cada atributo, o leitor lê todas as linhas no arquivo, é a maneira mais segura, mas pode ser muito lento ao ler grandes arquivos com milhares e milhares de linhas. Se o arquivo tiver um esquema congruente, podemos ler um pequeno conjunto de linhas para calcular os tipos. Então também foi alterado. Temos que reconstruir GeoTools e GeoWave. Você pode baixar as alterações deste fork do GeoTools.

Após esta pausa, vamos voltar ao caminho principal do guia, onde nós carregamos recursos em nossa camada com o comando “ingest”. Nós incluímos o plugin em uma instância do GeoGerver implantada também (é fácil, basta copiar a biblioteca “geowave-deploy-xxx-geoserver.jar” para a pasta “..\WEB-INF\lib” e reiniciar).

No próximo post iremos abordar o GeoServer, não perca!

por Fernando Quadro em January 17, 2018 12:34 PM

January 16, 2018

Anderson Medeiros [BR]

Para Crianças: Quebra Cabeça com Mapa dos Estados Brasil

Quebra Cabeça com Mapa dos Estados do Brasil

Uma dica para quem dá aulas de geografia, em especial para o ensino fundamental. Em nossas pesquisas na internet encontramos um quebra cabeças online onde o objetivo é montar a divisão estadual do Brasil sem errar as posições dos estados.

COMO FUNCIONA O QUEBRA CABEÇAS DO MAPA DO BRASIL

Esta é uma ótima ferramenta para ensinar crianças a geografia do Brasil. O jogo é bem simples e roda totalmente no navegador web.

O jogo tem pontuação máxima de 26 pontos. Se o jogador erra a localização de um ou mais estados durante o processo de montagem do mapa, ele vai perdendo pontos. Se conseguir posicionar todos os estados sem errar em nenhum, o jogador atinge os 26 pontos.

Quebra Cabeça com Mapa do Brasil

O jogador pode escolher a ordem em que os estados serão posicionados. Basta clicar sobre o mapa do estado e arrastar para a posição devida.

A imagem abaixo ilustra o resultado quando todas as peças são posicionadas no devido local.

Para Crianças: Quebra Cabeça com Mapa do Brasil

É necessário uma observação: Embora sejam 27 unidades da federação, o Distrito Federal não foi incluído como peça, mas a marcação de Brasília pode ser vista dentro do polígono de Goiás.

COMO ACESSAR O QUEBRA CABEÇAS

Se interessou em usar essa opção para ensinar seus alunos ou quem sabe seus filhos? Para acessar o jogo, acesse o link abaixo:




O que achou desta dica? É verdade que não é diretamente ligado às Geotecnologias da maneira como estamos acostumados (SIG, Banco de Dados Geográficos, Sensoriamento Remoto, Drones, etc), mas considerei que seria interessante trazer esta dica aqui para o blog.

Aproveite para conferir os seguintes conteúdos de nosso portal:

Se você gostou desta dica e gostaria de outros conteúdos similares aqui em nosso site, deixe seu comentário. Isso vai ser o termômetro. Ok?

Cadastre-se Gratuitamente em nossa Lista VIP e receba nossas novidades por e-mail. Curta nossa página no Facebook [PortalClickGeo] e siga nosso Canal no Youtube para continuar atualizado sobre o Mundo das Geotecnologias

por Anderson Medeiros em January 16, 2018 08:40 PM

Fernando Quadro (BR)

Testando softwares para Big Data Spatial – Parte 2

Neste post iremos falar um pouco dos software que iremos utilizar no nosso teste, iniciando pelo Hadoop e passando por HBase.

1. Apache Hadoop

O Apache Hadoop é, quando buscamos um pouco no Google… uma estrutura que permite o processamento distribuído de grandes conjuntos de dados em clusters de computadores usando modelos de programação simples. Ele é projetado para ampliar de servidores individuais para milhares de máquinas, cada uma oferecendo processamento e armazenamento local. Ao invés de confiar no hardware para oferecer alta disponibilidade, a própria biblioteca é projetada para detectar e lidar com falhas na camada do aplicativo, oferecendo assim um serviço altamente disponível em um cluster de computadores, cada um dos quais podendo ser propenso a falhas.

O HDFS é um sistema de arquivos distribuídos que fornece acesso de alto desempenho aos dados em todos os clusters Hadoop. Como o HDFS normalmente é implantado em hardware de baixo custo, as falhas do servidor são comuns. O sistema de arquivos foi projetado para ser altamente tolerante a falhas, no entanto, facilitando a transferência rápida de dados entre os nós e permitindo que os sistemas Hadoop continuem sendo executados se um nó falhar. Isso diminui o risco de falha catastrófica, mesmo no caso de falhas em inúmeros nós.

Nosso teste usará o Hadoop e seu HDFS como repositório de dados onde vamos salvar e, finalmente, publicar para o aplicativo do usuário final. Você pode ler os recursos do projeto aqui, ou mergulhar na Internet para aprender profundamente sobre isso.

Utilizei o Windows para os meus testes. Os lançamentos oficiais do Apache Hadoop não incluem binários do Windows, mas você pode facilmente criá-los com este ótimo guia (Ele usa o Maven) e configurar os arquivos necessários pelo menos para executar um único cluster de nós. Claro, um ambiente de produção exigirá que configuremos um cluster multi-nó distribuído ou use uma distribuição “apenas para uso” (Hortonworks) ou salte para a Nuvem ( Amazon S3 , Azure, etc…).

Continuamos com este guia; Depois que o Hadoop foi construído com Maven, os arquivos de configuração foram editados e as variáveis ​​de ambiente foram definidas, podemos testar se tudo está bem executando no console …

> hadoop version

Em seguida, começamos os “daemons” dos objetos namenode e datanode, e o gerenciador de recursos “yarn”.

> call ".\hadoop-2.8.1\etc\hadoop\hadoop-env.cmd"
> call ".\hadoop-2.8.1\sbin\start-dfs.cmd"
> call ".\hadoop-2.8.1\sbin\start-yarn.cmd" 

Podemos ver o aplicativo de administração Hadoop rodando na porta HTTP configurada, 50070 no meu caso:

2. Apache HBase

O Apache HBase é, procurando novamente no Google… um banco de dados NoSQL que é executado no topo do Hadoop como um grande armazenamento de dados distribuído e escalável. Isso significa que o HBase pode alavancar o paradigma de processamento distribuído do sistema de arquivos distribuídos Hadoop (HDFS) e se beneficiar do modelo de programação MapReduce do Hadoop. Ele destina-se a hospedar tabelas grandes com bilhões de linhas com potencialmente milhões de colunas e executados em um cluster de hardware de commodities.

Você pode ler aqui para iniciar e instalar o HBase. Mais uma vez, verificamos a versão do produto executando:

> hbase version

Inicie o HBase:

> call ".\hbase-1.3.1\conf\hbase-env.cmd"
> call ".\hbase-1.3.1\bin\start-hbase.cmd"

Veja o aplicativo de administração HBase na porta 16010, no meu caso:

Ok, neste momento, temos o grande ambiente de dados funcionando, é hora de preparar algumas ferramentas que acrescentam capacidades geoespaciais; GeoWave e GeoServer, vamos em frente no próximo post

por Fernando Quadro em January 16, 2018 10:59 AM

January 15, 2018

Fernando Quadro (BR)

Testando softwares para Big Data Spatial – Parte 1

O objetivo deste artigo é mostrar os resultados testando a integração de uma plataforma Big Data com outras ferramentas geoespaciais. É necessário salientar que a integração de componentes usados, todos eles de código aberto, nos permite publicar serviços WEB compatíveis com padrões OGC (WMS, WFS, WPS).

Este artigo descreve as etapas de instalação, as configurações e o desenvolvimento feito para obter um aplicativo de mapeamento que mostre medidas de NO2 de aproximadamente 4k estações européias durante quatro meses (Observações foram registradas por hora), resultado em torno de 5 milhões de registros. Sim, eu sei, esses dados não parecem um armazenamento “Big Data”, mas parece grande o suficiente para verificar o desempenho quando as aplicações o lêem usando filtros espaciais e / ou temporais (clique na imagem acima para ver o vídeo).

O artigo não se concentra em ensinar um conhecimento mais profundo dos softwares usados, todos eles já tem publicado boa documentação do ponto de vista do usuário ou do desenvolvedor, simplesmente quero oferecer experiências e um guia simples para coletar recursos de componentes de software. Por exemplo, comentários sobre o GeoWave e sua integração com o GeoServer são uma cópia do conteúdo do guia do produto em seu site.

1. Esquema de dados

Os dados de teste foram baixados da European Environment Agency (EEA). Você pode pesquisar aqui informações ou visualizadores de mapas desta ou de outras fontes, ou melhor, você pode usar seus próprios dados. GDELT é outro projeto interessante que oferece dados maciços.

O esquema dos dados do teste é simples, a entrada é um grupo de arquivos CSV (arquivos de texto com seus atributos separados com vírgulas) com coordenadas geográficas do tipo ponto (Latitude / Longitude) que georreferenciam o sensor, a data da medida e a concentração de NO2 no ar. Existem outros atributos secundários, mas não são importantes para o nosso teste.

2. Arquitetura de software

O teste consiste na cadeia de um conjunto de ferramentas, todos eles oferecem dados e funcionalidade ao próximo componente de software na arquitetura do aplicativo. O fluxo de trabalho do aplicativo começa com o Hadoop e seu HDFS, HBase para mapeá-lo como um banco de dados, o ótimo GeoWave trabalhando como um conector entre ele e o popular GeoServer que implementa vários padrões OGC e, finalmente, um aplicativo de cliente web que busca dados para mostrar mapas como usual (por exemplo, usando Leaflet e Heatmap.js biblioteca).

No próximo post iremos falar detalhadamente de cada um dos softwares apresentados na imagem acima! Não Perca!

por Fernando Quadro em January 15, 2018 05:37 PM

Anderson Medeiros [BR]

Últimas Vagas: Cursos de QGIS em Porto Alegre/RS

Últimas Vagas: Cursos de Geoprocessamento com QGIS em Porto Alegre/RS

Últimas Vagas: Cursos de Geoprocessamento com QGIS em Porto Alegre/RS: Restam poucas vagas para a V Semana de QGIS em Porto Alegre/RS. O evento acontecerá entre os dias 29 de janeiro e 1° de fevereiro.

INSCREVA-SE AGORA PARA I SEMANA DE QGIS EM PORTO ALEGRE/RS

Comece 2018 se capacitando. Torne-se independente na produção de mapas e em operações de Geoprocessamento. As vagas são realmente limitadas!

Durante este evento serão realizados dois cursos de Geoprocessamento com Práticas no Software QGIS (Básico e Avançado).

Cursos de QGIS em Porto Alegre/RS

No Curso de Introdução ao Software QGIS consideramos que todos os alunos estão tendo seus primeiros contatos com o programa. Ao participar deste curso o aluno dominará como inicializar projetos envolvendo mapeamento temático e Sistemas de Informações Geográficas (SIG), passando pela integração com banco de dados geoespacial até a produção de um layout completo do mapa para impressão.

No Curso de Uso Avançado do Software QGIS o participante aprenderá sobre recursos mais complexos do programa para aplicações variadas como processamento digital de imagens de satélite (PDI), delimitação de bacias hidrográficas, publicação de mapas na internet, entre vários outros tópicos.

EMENTA, LOCAL E VALOR DO CURSO

Quer saber detalhes sobre local de realização do curso, ementa, carga horária, investimento e assim por diante? Para ver todas as informações sobre o curso, acesse nosso hot site:

Não fique de fora, não perca esta oportunidade. Outro curso no Rio Grande do Sul, só em 2019!

Em caso de dúvidas, entre em contato:
E-mail: cursos@clickgeo.com.br | WhatsApp: (83) 9.8885.5525

Um detalhe importante: Para participar do Curso de nível Avançado, o aluno deve ter participado do Curso de Introdução ao QGIS ou realmente dominar todos os tópicos abordados no curso básico.

por Anderson Medeiros em January 15, 2018 03:08 AM

January 11, 2018

Geofumadas [HN]

Diez razones principales para dar a conocer los datos territoriales

En un interesante artículo de Cadasta, Noel nos comenta que mientras más de 1,000 líderes mundiales en derechos territoriales nos reuníamos en Washington DC a mediados del año pasado para la Conferencia Anual Territorio y Pobreza del Banco Mundial, la expectativa que existe respecto a las políticas en cuanto a recopilación de datos para […]

por geofumadas em January 11, 2018 08:00 PM

Luís Sadeck (BR)

Mestrado publicado! Redes neurais e Ordenamento territorial

Os estudos voltados ao ordenamento territorial em geral representam o emprego de uma grande quantidade de informações o que torna o processo de interpretação bastante complexo, em consequência disso o processo de tomada de decisão torna-se mais lento. Além disso há a necessidade de ajuste espacial (escala) e temporal (mesmo período de aquisição) dos dados […]

por sadeckgeo em January 11, 2018 07:00 PM

January 10, 2018

Fernando Quadro (BR)

A transformação da França através do Open Data

Se um entusiasta de Open Data tentar inspirar outros, ele logo será confrontado com uma pergunta difícil: qual é o impacto? Alguns podem convencer com longos monólogos sobre transparência e potencial de inovação, mas, muitas vezes, todas as necessidades são alguns exemplos inspiradores de dados abertos do mundo real.

Antes de saltar para o impacto da Open Data, vamos dar uma olhada em alguns dos conjuntos de dados mais interessantes. Um dos conjuntos de dados abertos visualmente mais atraentes ao redor do mundo é o Archives of the Planet do Museu Albert Kahn. O departamento francês decidiu publicar o arquivo de mais de 60 mil fotos de lugares do mundo todo há mais de um século. No portal Open Data do departamento, os usuários podem navegar em uma galeria e clicar em um mapa para descobrir as imagens. Graças à API, o museu foi capaz de construir facilmente um novo site para expor este tesouro de forma fácil e aumentar significativamente o número de visitantes no seu site em dez vezes.

Enquanto muitos portais apresentam a posição de lugares de estacionamento nas ruas ou em lotes, apenas alguns indicam sua disponibilidade em tempo real. A cidade francesa de Issy-Les-Moulineaux, no entanto, consegue fazer isso onde outros ficam aquém; produziu um conjunto de dados de sensores em tempo real sobre a disponibilidade de lugares de estacionamento em algumas de suas ruas e foi ainda mais longe para criar um mapa que exibisse disponibilidade de espaço de estacionamento. A cada minuto, a plataforma tira os dados provenientes de sensores que foram instalados na superfície das ruas.

Um fato que sabemos é que quanto mais fácil for para os desenvolvedores reutilizarem dados, mais provável é que eles o façam. Um exemplo é Rennes, uma cidade francesa de cerca de 200.000 habitantes, cujo operador de transporte público (STAR), operado pela Keolis, publicou a localização dos ônibus em tempo real no seu portal Open Data. Você pode aprender muito mais sobre este estudo de caso, mas para dar uma pista sobre os resultados, a empresa atualmente lista um total de sete aplicativos de transporte construído por desenvolvedores provenientes da comunidade.

Embora o impacto seja frequentemente o objetivo desejado, ele não necessariamente motiva todos os funcionários que são solicitados a publicar conjuntos de dados. Afinal, o Open Data é considerado um trabalho adicional cujo valor agregado é difícil de projetar. Surpreendentemente, no entanto, quando concluído, o Open Data também pode ter benefícios importantes para uma organização.

Como um dos primeiros adotantes de dados abertos na França, a cidade acima mencionada de Issy-Les-Moulineaux decidiu publicar seu orçamento financeiro em 2011 para aumentar a transparência. Eles empurraram os dados para o portal e pediram a uma agência web que criasse um site dedicado para apresentar os dados de forma fácil de usar simplesmente incorporando os gráficos provenientes do portal. Desta forma, eles foram livres para fornecer um excelente contexto descritivo aos seus dados orçamentários. Seu truque: os gráficos são sincronizados com cada conjunto de dados, portanto, quando os dados são atualizados a cada ano, os gráficos também mudam. Assim, a cidade investiu apenas uma vez no desenvolvimento, que são capazes de replicar todos os anos com os dados mais atualizados.

Da mesma forma, o fornecedor francês de eletricidade ENEDIS está fazendo uso do portal Open Data para comunicação aberta externa. As visualizações interativas apresentadas em seu principal site corporativo foram desenvolvidas através do conjunto de APIs de geradas pelo portal, economizando os principais custos de desenvolvimento da empresa.

Quando o Ministério da Agricultura francês procurou uma ferramenta de busca simples para exibir empresas que vendem produtos de agricultura química para agricultores e consumidores, eles tiveram a opção de trabalhar com uma empresa de consultoria ou de contar com seu portal. Graças ao uso fácil de widgets, o Ministério criou um painel que listaria todas as empresas, pontos de varejo e informações relacionadas em um mapa. O projeto levou três dias para configurar – e também está sendo usado como um ponto de referência interno.

Os dados de publicação exigem que as organizações repensem sua estratégia interna de gerenciamento de dados. Hoje, Open Data ainda é muitas vezes considerado como “trabalho extra” que deve ser feito para marcar uma caixa. Muitos imaginam portais volumosos com arquivos para download em vez de dados dinâmicos que se pode explorar em visualizações interativas e acesso em diferentes formatos e através de APIs de conjunto de dados. Indexar os próprios registros de dados (em oposição aos arquivos) e transformá-los em APIs permite que as organizações trabalhem com seus próprios dados de uma maneira totalmente nova. Em vez de enviar arquivos de um funcionário para outro (ou carregá-los para uma unidade virtual), os dados em si podem ser compartilhados. Do ponto de vista técnico, é possível criar um ponto de acesso central para uma organização, ao mesmo tempo em que dá aos diferentes usuários diferentes níveis de acesso, dividindo os silos de dados. Isso assegura não só o acesso à versão de dados mais recentes em uma organização, mas também a sua fácil reutilização através de APIs em painéis ou outros serviços da Web. Portanto, são as próprias organizações que se beneficiam mais de uma estratégia otimizada de gerenciamento de dados. E, finalmente, abrir esses dados para o resto do mundo, pois Open Data muitas vezes não exige muito mais do que um simples clique do mouse.

É muito bom ver o quanto o Open Data está fazendo na França, em pensar que esses são apenas alguns exemplos, mas sabemos que as possibilidades são infinitas. Espero que um dia cheguemos nessa maturidade aqui no Brasil, de ter dados de verdade disponibilizados para que possamos explorá-los e criar produtos que ajudem a população.

Esta é uma tradução livre do artigo original escrito por Christina Schönfeld no site OpenDataSoft.

Fonte: OpenDataSoft

por Fernando Quadro em January 10, 2018 07:43 PM

January 09, 2018

Anderson Medeiros [BR]

QGIS: Como converter Dados Textuais em Valores Numéricos

QGIS: Como converter String em Valores Numéricos

Frequentemente recebemos e-mails com dúvidas de usuários do QGIS que estão tendo problemas ao gerar seus mapas temáticos quantitativos pois o programa não reconhece os números da tabela de atributos. Neste tutorial vamos ensinar como fazer a conversão de dados do tipo string (texto) para dados numéricos.

COMO SABER SE UM CAMPO TEM DADOS DE TEXTO OU NÚMERO

Entendamos o seguinte: Quando vamos tentar gerar um mapa temático no QGIS (do tipo graduado) e o campo onde os dados dos números estão armazenados não aparece na lista de campos disponíveis, em geral o motivo é que aquela coluna não está sendo lida como campo numérico, mas sim textual.

DICA: É bem fácil de identificar se um campo está sendo interpretado como texto (string) ou numérico. Colunas com dados textuais ficam com o conteúdo alinhado à esquerda e colunas com dados numéricos, ficam alinhadas à direita.

Na imagem abaixo (clique nela para ampliá-la) temos 1 (um) campo alinhado à direita, o campo ID. Ou seja, ele é numérico. Os demais campos são do tipo textual e por isso estão alinhados à esquerda.

Mas você percebeu como está o campo TAXA_2018? Embora ela represente um dado numérico (decimal) ele está sendo lido como sendo texto. Veja que ele está alinhado à esquerda. Nesta condição ele não pode ser usado para criar mapas temáticos quantitativos.

QGIS: Como converter Dados Textuais

Entendeu o problema que temos que resolver? Há mais de uma forma de corrigir isso. Aqui vamos ensinar uma das maneiras mais simples. Este método envolve o uso da calculadora de campos.

CONVERSÃO DE STRING PARA NÚMEROS NO QGIS

Para começar: Coloque a camada em modo de edição. Você pode fazer isso, por exemplo, clicando sobre ela com o botão direito do mouse e escolhendo a opção “Alternar edição”.

Depois, abra a tabela de atributos e acione a Calculadora de campo. A imagem abaixo ilustra o ícone, que pode ser encontrado tanto dentro da própria tabela e também na barra de ferramentas do QGIS.

Abrindo a Calculadora de Campos no QGIS

Quando a calculadora for aberta, vamos seguir os seguintes passos simples:

  • Passo A: Crie um novo campo, com um nome diferente (neste exemplo usei TAXA_18). Ele deve ser do tipo numérico (inteiro ou decimal, dependendo dos seus dados) e com o comprimento de campo e precisão adequados para seus dados representados no campo que está como texto.
  • PASSO B: Na lista de funções, navegue para Campos e Valores e procure a coluna com os dados originais. Neste caso é o campo TAXA_2018. Dê um duplo clique.
  • PASSO C: O nome da coluna selecionada aparecerá no quadro de expressões. Para finalizar, clique em OK.

Calculadora de Campos: Como converter Dados Textuais em Valores Numéricos

O resultado da operação está exemplificado na imagem abaixo (clique nela para ampliá-la).

Note que agora temos um campo com os dados sendo lidos em formato de números decimais, que poderão ser usados no mapeamento quantitativo dessa variável.

QGIS: Como converter Dados Textuais em Valores Numéricos

Logicamente, caso o usuário ache interessante, poderá excluir o campo original que está com dados textuais.

Simples, não é? Mas muito útil. O que você achou desta dica? Deixe seus comentários.

Confira também as seguintes dicas de uso do QGIS:

Depois eu vou preparar alguns materiais ensinando outras formas de realizar a mesma atividade que vimos neste tutorial. Ok?

Muitas novidades estão sendo preparadas para este ano aqui no nosso site. Aguarde e confie!

Cadastre-se Gratuitamente em nossa Lista VIP e receba nossas novidades por e-mail. Curta nossa página no Facebook [PortalClickGeo] e siga nosso Canal no Youtube para continuar atualizado sobre o Mundo das Geotecnologias

por Anderson Medeiros em January 09, 2018 01:46 AM

January 08, 2018

Anderson Medeiros [BR]

E-Book: Geoprocessamento – Análise de Geodados

Geoprocessamento: Análise de Geodados

Compreender as principais características dos dados geográficos e das atividades relacionadas ao seu uso em Geoprocessamento é fundamental para que um profissional possa atuar de forma adequada em um projeto envolvendo Geotecnologias. O e-book que estamos divulgando aqui será útil neste contexto.

MATERIAL SOBRE ANÁLISE DE DADOS GEOGRÁFICOS

O material Geoprocessamento – Análise de Geodados foi publicado em 2010 como parte do conteúdo da disciplina de métodos de levantamento e análise de dados do programa de pós-graduação da UCI.

ClickGeo: Cursos de Geotecnologias

Embora se tenham passado alguns anos desde sua publicação, os conceitos apresentados no e-book continuam plenamente válidos. Assim, recomendamos o download do material.

E-Book: Geoprocessamento - Análise de Geodados

Entre os conteúdos apresentados no material estão: Representação dos dados, dimensão espacial dos dados em um Sistema de Informações Geográficas (SIG), vantagens e desvantagens dos modelos raster e vetorial, dados não espaciais (atributos), projeções, sistemas de coordenadas e reprojeção.

Além disso, há tópicos sobre modelo topológico, redes, superposição de mapas, geoestatística, cartografia automatizada, linguagem de consulta espacial, etc. Logicamente, estes itens são explicações breves e introdutórias.

DOWNLOAD DO E-BOOK SOBRE GEOPROCESSAMENTO

Para fazer o download do material, clique no link abaixo. O material está disponível em formato PDF:



Aproveite para ver também as seguintes dicas em nosso portal:

Não esqueça de deixar seus comentários sobre o que achou desta dica de leitura e download.

Cadastre-se Gratuitamente em nossa Lista VIP e receba nossas novidades por e-mail. Curta nossa página no Facebook [PortalClickGeo] e siga nosso Canal no Youtube para continuar atualizado sobre o Mundo das Geotecnologias

por Anderson Medeiros em January 08, 2018 11:59 PM

Blog Geoprocessamento [BR]

SETOR DE ENERGIA E GEOPROCESSAMENTO

Algum tempo, trabalho com geoprocessamento no setor elétrico, neste tempo, fiz inúmeros amigos na área, alguns conheci por aqui. Em ritmo de privatização a Eletrobrás acaba de mandar embora por incentivo uma centena de profissionais das mais diversas áreas, inclusive o geoprocessamento. Enxugar para vender , eu já vivi isso no passado e graças ao Sr. Itamar Franco e outras lideranças, bem como os funcionários, isso não ocorreu.
Mas vivemos em outra época que os motivos e os ideias de quem nos governa são próximos, eu não sou a favor da privatização, o setor já não é o mesmo, temos que buscar a liberação da energia limpa não como crédito, mas como dinheiro na sua conta. Sem o temor de que a liberação, irá acabar com o que chamo setor das hidros( Lê-se Hidroelétricas). Cada vez menos teremos oportunidade de construir grandes hidrelétricas. e novas alternativas serão a bola da vez.
O meio Ambiente hoje também corre perigo, com o auto-licenciamento, não achei as leis ruins, mas o marasmo do setor público em soluções é geral, falta gente e recursos nestas instituições. O que acontece no final dessa ponte?

Para saber +:

PDV Eletrobrás.
https://oglobo.globo.com/economia/pdv-da-eletrobras-sera-maior-que-do-governo-diz-ministro-de-minas-energia-21690505

Autolicencimento
http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/blog-do-planeta/noticia/2016/03/governo-quer-deixar-que-empresas-facam-autolicenciamento-ambiental.html

por Marcanti (noreply@blogger.com) em January 08, 2018 04:57 PM

January 03, 2018

Geofumadas [HN]

Mejores Cursos de QGIS en Español

Tomar un curso de QGIS seguramente está en la meta de muchos para el presente año.  De los programas de código libre, QGIS ha llegado a ser la solución de mayor demanda, tanto por las empresas privadas como las organizaciones gubernamentales. De modo, que aunque domines ArcGIS u otra herramienta, incluir en tu hoja de […]

por geofumadas em January 03, 2018 04:02 AM

December 31, 2017

Fernando Quadro (BR)

Feliz 2018

Caros leitores,

Hoje mais um ano termina. Hoje 2017 nos dá adeus. Apesar dos tempos difíceis que estamos passando no Brasil, da crise que já nos acompanha desde 2015, não posso reclamar de 2017, pois Graças a Deus pra mim foi um ano bom!

Um ano com bastante trabalho e de realizações pessoais. Por isso, neste ano de 2017 só tenho a agradecer tudo que aconteceu, e torcer que 2018 seja ainda melhor.

Aproveito pra agradecer a todos que acompanharam meus relatos no blog esse ano, e pra desejar a todos vocês um ótimo ano de 2018, e independente de como tenha sido o seu 2017, que este novo ano seja muito melhor!

Um grande abraço a todos e Feliz 2018.

por Fernando Quadro em December 31, 2017 10:30 AM

Geofumadas [HN]

Este terreno NO está a la venta

Este es un interesante artículo de Frank Pichel, en el que analiza el valor agregado de la seguridad jurídica aplicada a los bienes inmobiliarios.  La pregunta inicial es interesante y muy cierta; me recuerda mi reciente visita a la zona viva de Granada en Nicaragua, donde una preciosa casa colonial literalmente tiene el grafiti “propiedad en […]

por geofumadas em December 31, 2017 02:34 AM

December 26, 2017

Geofumadas [HN]

TopView – Aplicación para levantamiento y replanteo topográfico

Cada día vemos que nuestras necesidades van cambiando y que por distintas razones nos vemos obligados a adquirir distintos Software de PC, GPS, y Estaciones Totales, cada una con un programa distinto, con la necesidad de un aprendizaje para cada sistema, y en el que tenemos incompatibilidad de datos siendo a menudo imposible pasar los […]

por geofumadas em December 26, 2017 04:04 AM

December 21, 2017

Geofumadas [HN]

Colocar Bing Map como mapa de fondo en Microstation

Microstation en su edición CONNECT Edition, en su actualización 7 ha activado la posibilidad de usar Bing Map como una capa de servicio de imágenes.  Si bien ya era posible desde antes, ocupaba una clave de actualización de Microsoft Bing; pero como recordarán, Microsoft es ahora el socio principal de Bentley en la Alianza Pavilion, […]

por geofumadas em December 21, 2017 01:44 AM